my name is Fernanda, but you can call me Susan

*

Conversando com a Reidun, Marianne e Kendra no café da manhã mencionei o nome do meu marido. A Kendra perguntou, de quem você está falando? Como assim, retruquei surpresa. É que a maneira que eu pronuncio os nossos nomes – com a entonação ORIGINAL em português, soa diferente, bem diferente, da maneira como os americanos pronunciam. Sorry periferia, mas não vou mudar. Disse para elas que sinto muito, mas casei com o Uriel, não com o Iurriél e tive um filho que batizei de Gabriel, não Gaibriél.

  • Share on:
Previous
foi bom pra você?
Next
não há receita para nada perfeito
  • Nas minhas primeiras tentativas de me apresentar a americanos como Samuel, cansei de ouvir “ahn?”, “sorry?”, e aí acabava optando pelo Sam [com aquele quase e no meio] para ser entendido. Você uma vez escreveu sobre um episódio envolvendo o seu sobrenome Guimarães, não?
    Beijinhos e boa passagem de ano!

  • Fer, adoro esses nomes…Uriel e Gabriel. Uriel vem do hebraico, não é????
    e continue pronuciando em português, nada melhor do que ser o que se é.
    faço o mesmo com a Laura e estamos entendidos, nada de de puxar por Loura…esquisito para os meus ouvidos.
    Beijos

  • Acho que Bia não teria muitos problemas com pronúnica, o que achas? (que egocêntrica que sou, hehehe!!!!)
    Fezoca, espero que vc tenha tido um Natal maravilhoso e te desejo um 2006 de prosperidade, em todos os sentidos, e que a gente se veja novamente (coloquei a Califórnia na minha lista de viagens!!!)
    beijos, com carinho e saudade

Deixe uma resposta para Ana Lucia Cancelar resposta

o passado não condena