green envy

*

Tivemos o Thanksgiving, o primeiro no qual não servi nenhum queijo, e no qual tivemos peru mas eu não comi. E nem tive vontade. Essa experiência com um pé no veganismo me fez perceber o quanto é fácil ser vegetariano. Eu era feliz, na ignorância, e não sabia. Mas não estou arrependida, só estou triste que temos que fazer isso para não participar desse sistema doentio. No natal não teremos peru.

Minha amiga tirou o leite da cabra dela [que se chama Fitch], fez queijo e trouxe pra mim, de presente. Foi o primeiro queijo que comi em quatro meses. Foi delicioso!

Minha coleguinha disse que eu passo tranquila por “branca” principalmente no inverno, quando perco o “bronzeado”. Gostei de saber disso. Rsrs.

Fui perguntar para o mocinho como estava a família dele. Eles perderam TUDO no incêndio de Paradise. Daí ele falou por um tempão e me deu muita tristeza. esse incêndio nunca vai se apagar das nossas memórias.

Estava muito determinada a pegar os limões numa árvore do outro lado da rua do meu trabalho, que emprestei o picker da minha vizinha e levei comigo. Mal coube no carro, fui pro meio da rua com ele, mas valeu valer a pena. São limões Meyer!

Engraçado admitir isso, mas fico sempre muito bem usando cor de rosa.

Ouvi o Livro da Michelle Obama. Ouvi Harper Lee e Ray Bradbury. Agora estou ouvindo a Elena Ferrante. Estou apaixonada pela biblioteca pública e pegando audio e e-books nas bibliotecas de Woodland e Davis.

Hoje estou me sentindo tristíssima. Perdi até o apetite. Quero superar isso, porque não há nada que eu possa fazer, além de dar apoio moral e carinho. Estar presente da maneira que eu puder. May all beings be free of all suffering.

Está frio na Califórnia.

  • Share on:
Previous
[ os dias estão esfumaçados]

deixe um comentário

o passado não condena