quase lá

*

Que dia LINDOOO!
Lista de hoje: embrulhar presentes, fazer laundry, escrever a review, mandar algumas mensagens, fazer uma busca, ligar pra Iri e pra Eli, mandar as fotos…
Ontem, enquanto o Ursão assistia do jogo dos Kings, eu dei uma browseada pelos blogs e passei por dois weblogs de exilados, como eu e a Grazi – o do Cris Dias em NY e o do William na Alemanha [My Webcam] . Não estamos sózinhos… 🙂
O site da Blogger está com problemas ou é o meu computer que está dando um chilique???
Para quem gosta de ilustração (e como eu, de desenhinhos…. !) óia só que bunitinhuuuu….Um Christimas Calendar…… Happy Holidays Folks! 🙂

  • Share on:

gentarada

*

Minha ‘vizinhança’ também está aumentando, viram? Sei lá se alguém me lê, mas eu certamente leio algumas pessoas! É divertido, especialmente porque fico sabendo do dia-a-dia de gente de todo canto do Brasil. Enquanto eu tiver tempo, vou ficar de cotovelos no muro, olhando pros vizinhos (e suas graminhas verdes.. ah, como o meu site é blunt, perto de alguns tão moderninhos!!).
Eu também leio o Stimpy – seja ele quem for!! 🙂
Já é noite….
Um baita estresse por causa de uma coisa super simples: você tem um trabalho, você faz tudo direitinho e no dia do pagamento você recebe um cheque. Minha experiência com trabalho sempre foi assim, uma troca de serviço por dinheiro. Mas meu último emprego me provou que existem outras formas de relação entre trabalhadores e pagadores. Eu juro que estou descrente da profissão. Me digam, por favor, que nem todos os jornalistas brasileiros são desonestos, mentirosos, embromadores, crápulas. Preciso tirar essa má impressão da minha mente…
Então de manhã recebi uma mensagem da empresa, liguei pro meu pai, liguei pra fulana que deveria ter pago meus salários desde agosto e não fez – e pude ouvir o maior teatro sendo improvisado via telefone – liguei de volta pro meu pai (porque parece que finalmente os salários tinham sido depositados. Depois de muito suor, raiva, mensagens e telefonemas). Quando cheguei agora à noite tinha mensagem do meu pai na secretária, dizendo que entrou um depósito (ainda bloqueado) na conta dele. Aleluia!!!! No meio de dezembro eu consigo receber o salário de AGOSTO!!!! Tenho vontade de digitar um xingão bem cabeludo aqui…… $#@%&*$#@!!!! CACILDA, não quero nunca mais cruzar com essa gente, nem trabalhar como freelancer. I’m through with it! GODDAMMIT!!!!!!
Mas valeu, porque de cada experiência podre como essa tiramos uma lição (eu pelo menos tirei!). E agora vou em frente, fazer outras coisas e o resto…. É RESTO mesmo! 🙂
Descontei minha decepção com a espécie humana nos corredores do Trader Joe’s . Yammis, comprei tanta coisa boa! Estou assando agora um salmão e uns turnovers de cogumelo! 😉 Comprei outro panettone. Ontem eu fiz minhas compras de Natal (fui rápida, prática, eficiente e concisa!) e achei uns panettones italianos que vou te contar. Aliás, tenho comprado tantas bolachinhas italianas, será que a Grazi conhece? Podem ser só para exportação, né? Eu DETESTO os doces, bolachas e chocolates americanos. É tudo ruim, muito doce, cheio de peanut butter e caramelo. Argh! As bolachas, doces e chocolates europeus são mil vezes melhores e custam mais barato (believe it or not!). No Trader TUDO é mais barato e melhor, anyway. Bom, comprei esses panettones da Fior di Fiore (classico, gran crema e gran gianduia) por $3,00 cada, uma verdadeira pechincha! Já comemos o de gran crema, que tem um recheio de baunilha (com um licorzinho, eu acho) e é coberto com chocolate granulado. Eu achei meio doce, mas bateu os stolens alemães, que são de doer os dentes (e hiper-calóricos!). As bolachas são da Vicenzi e da Loacker , que são do sul do Tirol. Hoje só comprei umas bolachinhas tipo biscotti para molhar no café (com chocolate chips) embaladas pelo Trader Joe’s mesmo. E pão,muito pão, de todo tipo, eu adoro pão!! Que farra!! 🙂

  • Share on:

listas

*

Solão!
Quanta coisa pra fazer! Eu e as minhas listinhas! 😉 Christmas is just around the corner, babe!
Na casa da Karen tinha duas gatas: uma preta outra branca. A preta ainda tinha um pesinho, mas a branca era uma esquelética! Perto delas a Misty Gray é uma GIGANTE! 🙂 Bom, eu não poderia ter uma gata pequena mesmo, por motivos óbvios. Também porque se ela não fosse grandona iria ser mais fácil eu ficar pisando e tropeçando nela! Já pensou? Mas eu fiquei impressionada com o tamanho minúsculo das gatas da Karen e me convenci que a Misty Gray é realmente uma big girl! 🙂
O filme do Mel Gibson foi decepcionante. Não era tão engraçado, não era tão criativo e ele está realmente com um problema nos cabelos. Não sei por que achei que ele está feio… Acho que não tem a ver com a idade. Algumas pessoas envelhecem e mudam. Sei lá! Nos trailers a Julia Roberts e o Brad Pitt em The Mexican – parecia divertido. Depois a Jennifer Lopes e o Matthew McConaughey em The Wedding Planner. Nossa, a JP é muito ruim…. péssima atriz! Não tem jeito…. Ela deveria deixar a vaga de musa latina pra Penélope Cruz e ir catar coquinho, ou melhor, hip-O-hop-coconut, já que ela canta melhor do que interpreta (se vamos categorizar, então ela dança melhor do que canta e canta melhor do que interpreta). E um filme que vai ser uma verdadeira bomba – Pear Harbor, com o Ben Affleck e o Cuba Jr. no exército do Hawaii (6-a-zero pros Japs!).
“You’re NOTHING, but a Hound dog…….”

  • Share on:

blues

*

Solão e ventania!
Hoje VOU ver o Mel Gibson ler o pensamento das mulheres! Só preciso ver o schedule do cinema. Acordei tardão, porque fomos dormir tardão e eu tinha tomado muito vinho branco. Tivemos um agradável fondue com a Ju e o Akira. Sempre conversamos por horas e horas com eles, até bater o desconfiômetro e decidirmos ir para casa (ou eles irem pra casa deles!). A Ju me deu de presente de Natal um Laptop Buddha! Uma graça, já está aqui no meu monitor: é realmente um Buddha num laptop! You’ve got Zen, diz o encarte! 🙂 Be Enlightened – OK – Cancel. Adorei!! 🙂
Com essa ventania não vai sobrar nenhuma folhinha nas árvores…
A Misty Gray saiu ontem à noite quando chegamos, para usar o restroom, e não voltou até a hora que deitamos. Hoje às 7am desci e abri a porta pra madame, que esperava toda gelada no tapetinho da porta. Essa gata não pode ficar na gandaia, porque ela não tem como se defender. Mas que teimosia! Engraçado que ela fica ‘afiando as unhas’ no sofá, no tapete. O instinto animal é muito forte, pois mesmo tendo sido amputada, ela ainda age como se tivesse patas perfeitas. Tadinha… Agora está desmaiada e vai ficar o dia inteiro assim: dormindo como uma pedra, tirando o atraso.
A Fran me emprestou uns CDs de Blues: Hoodoo Man Blues, do Junior Wells e Feels Like Rain do Buddy Guy. Ela viu o Buddy Guy nesse último verão e disse que ele é ‘the nicest man’, além de ser um artista fantástico. Ainda tenho chances de vê-lo! Ela também me trouxe um livro de entrevistas chamado Rollin’and Tumblin’. Já dei uma folheada e tem entrevistas com tudo quanto é bluesmen!! O legal é que você pode ir lendo em partes – não precisa seguir a seqüência. Foi assim que eu fiz com o The Land Where the Blues Began, do Alan Lomax e o The History of Blues, do Francis Davis (que ainda falta ler umas páginas!).
Olha só isso: a prenda a dizer ‘Sou Louco!’ em 86 línguas diferentes! Hahaha! Super útil, hein?? 😉

  • Share on:

livros

*

Lindo dia de SOL!
Morar no país mais consumista do mundo tem seus pitfalls, porque às vezes eu me sinto oprimida com tanto compra-compra, gasta-gasta. Época de Natal então é uma coisa horrorosa e se você não está no mesmo ritmo, fica se sentindo uma marginalizada. Eu ainda nem comecei a fazer nada e estava pensando em bolar uns presentes diferentes pro Ursão e pro Gabriel. Algo que não seja só entrar numa loja e comprar algo. Eu já dei um $$$ pro Gabe, que ele precisava pagar umas continhas! 😉 Mas não queria presentear como todo mundo, queria fazer algo simples mas especial. Uma matéria no SacBee de hoje mostrou o Natal de algumas pessoas que estão simplificando e saindo da roda-viva do consumismo. Alias, o movimento da simplificação aqui nos EUA está ficando forte. Acho que muita gente caiu na real de que estava chegando no final de alguma linha e que tudo aquilo não satisfazia. Muita gente diminuiu horas de trabalho, mudou-se pra casas menores e mais funcionais, cortou gastou supérfluos – e tudo isso no meio de um crescimento econômico enorme, o que mostra que não se precisa de crise econômica para se aprender a viver mais simples. O Andrew (me agüentem falar dele por um tempo!) disse que consegue viver com 7K por ano. Tá certo que ele mora no Alaska, mas realmente dá pra viver com pouco dinheiro neste país. É só uma questão de se organizar e não cair de boca no consumismo neurótico. Os desperdícios que eu vejo acontecendo todo santo dia, por todo canto…. Ohmy!
Ontem sai à noite pra andar e pensar e acabei na biblioteca central da UCDavis! Eu só fui uma vez naquela biblioteca. Nem na biblioteca da cidade eu vou, porque antes não tinha tempo e agora não tenho saco. Preciso repensar essa atitude, né? 🙂 Bom, o que aconteceu é que entrei assim sem nenhuma intenção ou propósito e na primeira fileira de livros que olhei, dei de cara com centenas de livros em português – um monte de chatices teóricas sobre o Brasil! Tinha uns 30 volumes da Enciclopédia dos Municípios Brasileiros, publicada pelo IBGE. Também vi Casa Grande e Senzala (* gostei da tradução: The Mansion and the shanties) do Gilberto Freire e outros tantos livros sobre todo tipo de assunto: A revolução de 30, Getúlio Vargas, Amazônia, D. Pedro II, o nordeste, os negros, Rui Barbosa, o folclore, história…. Alguns livros em inglês, mas a maioria em português. Eles compilavam uns três corredores, os dois lados das prateleiras abarrotadas. Interessante! Os autores, Azevedo, Gomes, Calmon, Prado, Silva, Trindade, Cabral e até um tal de PINTO, autor de Trópicos Úmidos – HAHAHAHAHA!
Ontem o Paulo ligou. Estava indo pra New York com a Iri e as meninas. Nessa semana ele esteve em San Francisco segunda, Seattle na quinta e vai pra festa de Natal do Banco neste findi em NY. Que vida chata, hein?? 😉 Mas viajar nesta época do ano é uma pain in the ass, porque acontecem nevascas pro leste e neblinas pesadas no oeste, fora a quantidade de gente viajando pra lá e pra cá. Chicago já está atolada em neve e até choveu gelo. Uma tempestade assim de gelo quase destruiu Ottawa uns anos atrás. Eu lembro do Robert contando que eles ficaram sem eletricidade por semanas. Frightening! Aqui o tempo está bom e o dia está lindo! Vou lá for a aproveitar!

  • Share on:

filmes

*

Nublado/Chuvoso(quero Sol!!)
Dormi como uma pedra. Sonhei como uma louca. Acordei tardão e perdi a ‘Festa das Batatas’ no Russell Park. Oh, well… Agora eu entendo por que eu me identifiquei tanto com o Andrew. Eu não me importo muito se encontrar ou não encontrar gente. Alguém sabe do que eu estou falando? Você já se sentiu totalmente cansado e desanimado no meio de uma festa? Como se sua energia tivesse escorrido pro ralo? Eu sempre me sinto assim em lugares com muita gente. Me lembro do meu último Natal no Brasa, em 91, com a casa dos meus pais cheia: tios, primos, amigos. Teve uma hora que eu tive que me refugiar numa sala escura e fiquei lá sentada, ouvindo o barulho das conversas e risadas que ecoavam pela casa, tentando me recuperar. Sei lá, que coisa mais esquisita, hein? 🙂
Eu tomei um entojo de política. Desde que sai da Porvenir que não sei de absolutamente nada (ufa, graçasadeus!) do que acontece no Brasil. Com a política daqui eu também sou uma alienada. Essa história das eleições encheu os meus piquás. O Ursão também torrou meu saquito assistindo o tempo todo aqueles canais chatos de debates e escrutinização. Ontem a headline no SacBee deu o resultado final dessa batalha ridícula. E eu que achava que paulista que era burro porque continuava votando no Maluf. Estou super cética com relação à esse tal George ‘doubleiu’ Bush. Mas pelo menos ele tem jeito que vai ser material pra muitas piadas gostosas no Saturday Night Live! 🙂
Hoje abre o novo filme do Mel Gibson, What Women Want. Vou ver com certeza, porque o trailer me fez rir um montão! Ele é um machão-galinha que um dia leva um choque na banheira e começa a ouvir os pensamentos das mulheres! Eu não sou fã do Gibson (que está tão acabadinho… nossa… até perdendo uns cabelinhos no topo da cabeça – ou será que eu vi errado??), mas o filme parece ser uma boa diversão. Dia 22 abrem vários filmes, mas eu só vou poder ver quando voltar do Natal. Tem o Cast Away, com o Tom Hanks, Miss Congeniality, com a Sandra Bulock (que parece engraçado), e Finding Forrest, do Gus Van Sant, que ainda não chegou aqui. Proof of Life, com o Russell Crowe e a Meg Ryan não vai dar pra ver…. Ah, sinceramente, o Crowe de Rambo e a Meg de ela mesma, não deu pra engolir nem no trailer. Mas eu gostei de Unbreakable, mesmo com o Bruce Willis! 🙂 Já comentei no Cine&Tv. Ah, já sei com que filme vou gastar meus tickets da Tower: Pola X , com o filho do Gerard Depardieu e a Catherine Deneuve. O crítico do SacBee já avisou que tem uma cena ‘C-H-O-C-A-N-T-E’ de sexo explícito. Quero ver se é mesmo!! 🙂

  • Share on:

festa

*

Nublado e frio….
O Ursão já chegou e eu ainda estou de pijama! Hahaha! Como é bom ser vagal! Tô aproveitando enquanto posso, já que a minha sorte poderá virar a qualquer minuto! 🙂
A festa da Aspire foi muito legal! Claro que eu ME PERDI em Sacramento. Entrei na 15th, saindo da I80, pensando que a casa da Lisa era na 25th perto da Broadway, mas era em South Sac, perto da Fruitridge! Que medão que me deu ficar perdida à noite, com chuva, num lugar desconhecido. Mas eu SEMPRE faço isso quando vou pra Sac… Putsz, preciso que o Ursão instale um GPS no meu carro! 🙂
Cheguei uma hora atrasada e quando entrei na casa só vi caras desconhecidas. Já fiquei toda tensa. O cara que abriu a porta para mim perguntou se eu conhecia alguém ali. Ai, que pergunta otária! Eu disse que sim, que conhecia a Lisa e ele falou mais algumas abobrinhas, que eu não consegui ouvir por causa do som alto das conversas e também porque estava distraída, tentando encontrar alguma cara conhecida no meio da multidão. Ele me perguntou se eu era uma publisher, porque ele lembrava de mim de uma das reuniões de quarta-feira (eu só fui em duas e sinceramente não lembrava da cara dele em nenhuma). Fui colocar o casaco e a bolsa num quarto e corri pra encontrar a Lisa. Dai fui vendo gente conhecida aqui e ali, todas com um pratinho na mão, eu sem a mínima fome, querendo mesmo era tomar uma bebidinha (com álcool de preferência.. 🙂 mas não tinha!! só ponche de frutas e hot cider!). Abraços daqui e dali, perguntas de como tínhamos passado os dois últimos dias, todo mundo sentou na sala (tava difícil arrumar um pedacinho de chão pra sentar) e uns deram depoimentos, falaram sobre mil coisas. O John chegou e promoveu uma pequena meditaçãozinha (eu detesto essas coisas) e eu fiquei com a Damares, a Irina e o Leo na cozinha. Depois ataquei a mesa, porque precisava comer algo, embora estivesse sem a mínima fome. Achei o Alaskiano Andrew (que eu nem consigo expressar a forte conexão que eu tive com ele) e ali ficamos, comendo e conversando por HORAS! Ele é o sujeito mais simpático que eu já conheci em anos! Falamos sobre a Aurora Boreal (as Northern Lights) e do isolamento, da paisagem do Alaska, da floresta amazônica, dos índios canadenses e brasileiros, de como podemos viver isolados, mesmo estando fisicamente perto de outras pessoas, de La Ronge, dos filhos, da internet (que ele não tem), de como estamos ficando preguiçosos, de chocolate, da nossa experiência, de maridos e esposas…. Ufa! Doeu minhas costas, de tanto tempo que ficamos em pé papeando. As pessoas passando por nós, se juntando no papo (a Ann, o John e o Balthazar, que me contou ter vindo pra festa numa limusine e que vai me chamar pra uma festa – what the heck! Fiquei rindo, porque ele é completamente óbvio nas táticas donjuanescas dele!!). Depois conversei um tempão com o outro John, o engenheiro das águas, sobre filmes, escrevinhações e BLUES! Fui embora antes que a Lisa me chutasse pra fora e quando cheguei em casa que vi que já era quase meia-noite! Mostrei a FOTO pro Ursão, que examinou as caras-pálidas e não fez nenhum comentário. Bem típico, como eu já esperava. Bom, estou pensando no Level 2 e se estiver por aqui em fevereiro….. 🙂

  • Share on:

vitrola quebrada

*

Nublado/Chuvoso/Frio
Heya heya heya heya! Hoje o som na caixola (Fezoca’s Jukebox) toca o pow wow do tape da van psicodélica do Balthazar. Heya heya heya heya!
Dois imbróglios quase resolvidos! Eu sabia que tudo iria se ajeitar. O duro é cair a ficha e você perceber que foi enganada, feita de boba, enrolada, ludibriada, feito uma trouxa! Bloody hell! Mas tudo vale como experiência, como aprendizado.
Hoje é a festa de Natal e confraternização na Aspire. O Kevin me disse que vai haver troca de presentes, mas ninguém sabe pra quem vai dar ou de quem vai receber. Então o procedimento é levar um presente (tem que ser uma coisa unisex!) e deixar lá pra ver no que dá! Eu já embrulhei um cd de música brasileira. Vai ser uma roleta russa! 🙂
Papo com a Eli. Ela também cortou o cabelo (tosou, ela disse). Vejo sinais de fumaça no horizonte – heya, heya, heya, heya : Grande Mulher Guerreira de Pés Pequenos deve cortar sua encabeladura negra no amanhecer da primeira lua do equinócio.
Minha árvore está quase pelada. O Paulo contou que comprou uma árvore de Natal de 2 metros. Eu decidi que não vou fazer a minha. Estamos muito crescidos pra essas coisas! 🙂 Meu problema agora é descolar uma fantasia de Papai Noel… Sexta-feira teremos a festa natalina do pessoal do departamento de engenharia agrícola. O Ursão perguntou se eu queria ir. A festa do ano passado foi meio chata e eu fiquei só comendo, mas eu lembro que tinha um papai noel gigante dando presentes pras crianças e talvez se ele aparecer neste ano, eu possa perguntar quem é o alfaiate responsável pelo traje elegante. Isso mesmo! Boa idéia! 🙂

  • Share on:

muita coisa

*

Sol/Frio
Ontem eu estava tão groovie que até esqueci de postar o ‘weather report’ do dia. Choveu muito! E eu quase tirei uma foto da escada da entrada da minha casa, porque estava tudo lindo, coberto de folhas vermelhas e laranjas! Hoje restabeleci contato com a Terra. Prometo que vou cortar o meu cabelo. Isso já está ficando descontrolado. Eu nunca tive uma cabeleira tão longa. A Juliana me inspirou quando me contou que deu uma cortada no cabelão dela. E esse papo da Lia de tingir e tal também está me deixando com cosquinhas… 🙂
Segunda-Feira, 3am, estou voltando pra casa de mala e cuia. Quase nas escadas escuto uma voz gritando ‘hei! You!’. Cruzes, que susto! Me viro e vejo um carro de policia (sempre penso nos CHIPS – Eric Estrada (HAHAHA!)- quando cruzo com os policiais californianos. Principalmente os do campus que no verão circulam de bike e shortzinhos apertados!!). Não vejo os policiais, porque eles têm uma lanternona potente apontando em minha direção. A luz quase me cega. Um deles (eles estão sempre em dupla, como nos filmes!) pergunta ‘did you drop that?’. Eu olho e vejo meu cobertorzinho cor de vinho jogado no chão. Respondo ‘awh, yeah! It’s mine! thanks!’ e vou correndo pegar meu pertence, com cara de surpresa e me sentindo ridícula. Uma coisa boa: os policiais fazem a ronda por toda a madrugada, então estou certa em me sentir tão segura. Só achei horrível a maneira como eles me chamaram [ ‘hei, YOU!’] e a luz na cara… Parecia uma cena do seriado COPS… bom, estou exagerando, né?? 🙂
Ontem estava ainda na cama quando ouvi as batidas na porta. Pensei ‘ah, deixa pra lá, depois eu vou até o posto do correio’. Eu sabia que era a carteira e sabia o que ela estava trazendo, mas a preguiça venceu! Hoje ela bateu de novo. Desta vez eu desci correndo, amarrando o roupão, com cara inchada. Ela disse ‘tem um outro pacote pra você lá no post office.’. Eu respondi ‘já fui buscar, ontem mesmo!’. Era uma toalha de mesa bordada. Presente da minha mami, que outro dia pediu para eu medir a minha mesa em palmos. Um cartão de Natal com um gato vestido de Papai Noel. Eu e o Ursão adoramos! Hoje duas fitas de vídeo editadas pelo meu pai. Ele comprou um programa pra editar vídeos e então colocou música, efeitos, legendas. Ah, meu sobrinho Fausto está uma gracinha!! A Júlia e a Paula dançavam uma música super engraçada que dizia ‘tem que rebolar, tem que rebolar’!!! 🙂 E a Lívia é tão séria e brava… Quero um sorrisinho!

  • Share on:

frozen smile

*

Uma música, nem sei de que grupo, ecoa na minha mente: I just want you to see who I am! Hoje eu só quero ter um belo dia de silêncio e descanso!
Você que está do outro lado me lendo agora, faz o favor de me imaginar descabelada e sorrindo, porque é exatamente como eu estou neste instante! 🙂
Como eu falei neste final de semana! Nem eu sabia quantas palavras, descrições, adjetivos, impressões, detalhes minuciosos eu era capaz de pronunciar, com uma voz calma, sem me incomodar com o meu sotaque! Na companhia de um grupo de umas 40 pessoas e me sentindo perfeitamente à vontade.
No sábado eu fiquei extremamente doente. O medão tomou conta do meu corpo. Acordei com dor de estômago. Rolei de dor. Fui deitar, mas me trouxeram de volta pro grupo, me deram remédio, massagem. Depois veio da dor de cabeça agoniante! Almoçamos e chegou a nausea. Eu só olhava pras escadas, em direção ao quarto. Daí tomei dois motrin, quatro comprimidos de ervas, um de ginseng e lá se foi o almoço e tudo mais privada abaixo e eu escada acima, me enfiar na cama. E ganhei outro motrin, mais massagem e um tratamento exótico com radioestática ou whatever that was! Voltei pro grupo e terminei meu dia com um trabalho que foi muito importante e com a sensacão de que meu corpo e minha mente estavam numa briga de foice e machado!
No domingo eu acordei decidida passar um dia sem dor. Também decidi que iria tentar tirar o maior proveito possível de tudo. Eu não iria sair de lá sem ter conseguido alcançar pelo menos um objetivo. E quando chegou a hora de fazer o exercício mais temido, a dor de cabeça se instalou rapidinho no lado esquerdo da minha testa e eu senti uma baita raiva e frustração. Well, hello ME! Que surpresa quando me vi no meio de uma experiência EXTRAORDINÁRIA! Dali pra frente não parei mais de sorrir! A bobalegrice tomou conta!
Quando saímos para fora da casa, depois de três dias enclausurados, puder ver a paisagem linda das montanhas em Truckee. Tinha nevado à tarde e ninguém nem viu! Como nossa van psicodélica (guiada por um dos reis magos – Balthazar) estava com o pneu furado, fiquei um bom tempo caminhando e pisando de leve na neve branquinha (numa noite de lua cheia, tudo fica com uma coloração mística!) e ouvindo o crec-crec do meu tênis no chão gelado. Na nossa troupe, além do guia Balthy (que dirigia pelas montanhas em zig-zag enquanto conversava, me dando sobressaltos a cada minuto), estava o homem das cavernas do Alaska, Andrew – um gigante, de cabelos longos e barba branca, com um jeitão tão adorável que eu tive que dizer ‘I like you a LOT!’; a doce australiana July; o tímido Mike, com os olhos azuis mais gigantes que eu já vi na minha vida; Jim, o cozinheiro-escritor que me encantou com sua retórica e simpatia; e eu, Fezoca, a descabelada sorridente! Muitos e muitos abraços! 🙂

  • Share on:

o passado não condena