Armageddon….(aka, O Dia que Bruce Willis Salvou o Planeta)

*

Putsz, to ate com dor de cabeca…
Cade meu Tylenol??
Acho que peguei um virus. Um inofensivo, tipo de gripe. Deitei no sofa, com um cobertor e minha gata Misty Gray me acompanhando e intencionava dormir em frente da tv, coisa que faz anos que eu nao faco.
Mas vi o Bruce Willis jogando golfe numa plataforma de petroleo, uns ativistas do greenpeace e o Ben Affleck com aquela cara de pateta escondendo a Liv Tyler embaixo das cobertas da cama dele. Era Armageddon, eu ja sabia, pois esse filme vive passando na tv e eu nunca tinha visto, nem no cinema, que eu sou extremamente seletiva nessa funcao.
Entao vamos la, meio grogue, fiquei rindo das bobeiradas. Um asteroide vai destruir a terra e a Nasa manda chamar o melhor furador de buracos do planeta pra mandar pro espaco e encarafunchar uma bomba dentro do asteroide e detonar o dito cujo antes que ele destrua nossa amada terra. E quem eh esse furador? Bruce Willis, claro! O fodao! 🙂 Ele diz: 6 bilhoes neste planeta e por que voces me escolheram? Ah, isso nao eh pergunta que se faca, neh? Sendo ele o cara que die hard, nao poderia haver escolha melhor…
Entao ele chama os amigos dele e depois de muita demonstracao de serem todos caras comuns, down-to-earth e ate um pouco delinquentes, vao todos aboletados em dois foguetes: Freedom e Liberty para detonar o asteroide que ameaca a existencia da terra.
Quem nao viu esse filme e pensa em ver nao precisa ler o resto, porque eu vou contar o final.
Minha cabeca ta doendo de tanta gritaria e tensao. Do momento que eles saem da terra comecam os problemas. Nao vou me cansar reproduzindo detalhes, mas no meio de um dos fracassos da missao (foram inumeros – um milagre que nao morreu todo mundo logo na primeira cena em outer space) uma das fagulhas do asteroide destroi Paris.. PARIS!!! Foi-se tudo, ate a gargula do Moa… Ja pensou a raiva dos franceses, que ja tem a maior birra dos americanos? Goddammit, eles fizeram de proposito! Nao me conformo!
Bom, no fim o mundo todo na expectativa – explode aqui, cai pedrona ali, a bomba eh acionada, desacionada, encrenca, o buraco nao eh fundo o suficiente, a maquina furadeira explode (matando mais um heroi… oh, well, se ninguem morrer dai eh que eh marmelada mesmo, neh?), o pessoal sobrevivente da Liberty, que tinha explodido logo no comeco, retorna, eh a chance do Bruce Willis e o Ben Affleck fazerem umas cenas de camaradagem. Mas qdo tudo esta pronto, o remoto da bomba encrenca e alguem tem que ficar pra tras. Tiram no palitinho e quem fica? Ele mesmo, Harry, the Man, nosso heroi pra toda obra, Bruce Willis. E ele morre mesmo! Antes se despede da filha, que esta abracando o monitor com a cara dele na Nasa… E MORRE! Salva o mundo, mas MORRE, e eh a primeira vez que eu vejo um filme de acao com o Bruce Willis onde ele morre (Sexto Sentido nao vale… Esse eh cafe-com-leite!). Bom, os americanos mais um russo louco salvaram o mundo. Todos os paises festejaram. E o Aerosmith faz valer o contrato para a trilha sonora….. I don’t wanna close my eyes, cause I miss you babe, and I don’t wanna miss a thing……
E eu chorei! Tirem minha carterinha de cinefila, me excomunguem e apedrejem, mas eu tenho que confessar que chorei vendo o Bruce Willis morrer em Armageddon…. 🙂
Dois tylenol por favor!!

  • Share on:

um gelo

*

Feriadão primaveril ai no Brasil, hein?
Aqui nos USA é dia normal de labuta e
ainda por cima esta frioooo! Acho que
vamos ter que ligar o aquecedor da casa
mais cedo este ano. A previsão é de um
inverno rigorosooooo….brrr! Ainda bem
que não moro mais no Canadá. Já pensaram?
Ufa…. escapei dessa….. UM GELO! 🙂
Pois ontem eu tive a minha primeira
experiência de assistir um filme na
sala do cinema SOZINHA! Huu… Me deu
um MEDAOOO… Eu sozinha na salona escura.
Fiquei meio tensa no começo, mas o filme
valeu a pena. Ri de ter que enxugar as
lagrimas e assoar no nariz! Foi ótimo!
O filme é um documentário do Spike Lee
sobre uma turnê de quatro comediantes
negros. Chama-se The Original Kings of
Comedy e eu estou tentando escrever uma
resenha sobre ele pra edição desta semana
do Cine&tv. Aguardem…
Antes do filme começar, os trailer que
sempre me entretém desta vez me irritaram.
Primeiro que eu tava de pescoço duro, olhando
pra esquerda e pra direita por cima dos ombros
neuroticamente, por causa da sensação estranha
de estar sozinha numa salona escura. Nem lembro
muito bem quais trailers passaram. Eram todos
chatos. Mas um me chamou mais a atenção, pela
total insuportabilidade: o do filminho Charlie’s
Angels.. Madonamia!! Nunca vi nada mais obnoxious!
Acho que o filme é uma comedia…. E não achei
nem um pouco charmosa, como era a serie da década
de 70. Achei tudo falso e aquelas três atrizes
beeemmmmm fraquinhas… Well, vai ver to ficando
velha e cri-cri……
back to work….

  • Share on:

Steve McQueen

*

Eu já vi o biography do Steve McQueen umas duas vezes. Eu vi ele em Papillon. Mas não vi o Thomas Crown Affair. Um dia vou ver, só pra ver o que ele tem que o Pierce Brosnan não tem (e devia ter muito, muito mais!!). 🙂
O tipo de ator que eu tieto não tem muito a ver com o machão normalmente interpretado pelo McQueen, mas tem uma coisa nele que me fisgou. Ele era muquirana, tinha medo de ficar pobre. Ele brigou com a esposa no dia em teriam uma festa para ir. Ele saiu puto da vida de motocicleta. Ela ficou em casa chutando latas. não foram na festa, que foi justamente onde o grupo de fanáticos liderados por Charles Manson mataram varias pessoas, inclusive a atriz Sharon Tate grávida de oito meses. O nome de Steve McQueen estava na lista
que membros da família Manson carregava, de personalidades que deveriam assassinar. Ele ficou paranóico, dormia com uma arma em baixo do travesseiro. Ficou rico, perdeu tudo, ganhou tudo de novo, casou com uma das mulheres mais lindas da época, Ali MacGraw (de Love Story, quem não lembra?) e
morreu ainda novo, aos 50 anos, de câncer. Ele é um ator meio cult. E eu nunca tinha reparado muito nele…
Agora comecei a por reparo… hum! 😉
Hoje, sem querer (e poderia ser diferente?) comecei a ver um filme com ele e a Lee Remick (outra super linda) no canal de filmes clássicos. Era um filminho bobo, com uma historia tonta, mas a presença do McQueen (e da Remick)
valem o resto da bobeirada. Baby the Rain Must Fall. Ele é um marginal, um cara que só se estrepa com a lei, age por impulso e se encrenca. Foi adotado por uma velha que manipula a vida dele. Casou e teve uma filha com a Lee Remick, mas nunca viveu realmente com ela, pois passou vários anos a penitenciaria. Quando ele sai, ela vai encontra-lo com a filha. Vivem numa cidade desolada no Texas. O xerife no pé dele e ele tentando não voltar pra cadeia, super cool de
camisa e calca jeans justa, só quer saber de tocar sua guitarra, com seus companheiros de uma banda de rhythm & blues. E ele canta….! Dublado, com certeza! E bebe, briga e tenta viver uma vida normal com a Lee Remick…. não dá certo, é claro, porque ‘he ain’t no good…’. Um filminho, mas que filminho! 🙂 McQueen dirige um carrinho velho conversível a toda, como james dean, e rock’n’roll toca alto no radio, diz que quer ser famoso como elvis presley e nos mostra ‘some skin’. Sorry fanzocos do Pierce Brosnan, mas eu não consigo imaginar bofe inglês algum, tirando a coroa de machão de Mr. Steve McQueen! E FUI!

  • Share on:

o passado não condena