The Rocky Horror Show

*

The Rocky Horror Picture Show é um filme pitoresco de 1975, que mistura horror, ficção cientifica e erotismo. O carro de um casal de noivos caretas quebra no meio do nada e, procurando por um telefone, eles acham o castelo do Dr. Frank N Furter, um extra-terrestre travesti. Nada faz muito sentido na história, mas o filme é super divertido. O detalhe mais importante do The Rocky Horror Picture show é que ele virou cult por causa da participação da platéia. Cinemas costumavam passar o filme na noite de Halloween, quando a platéia ia vestida como os personagens, carregando papel higiênico, arroz, salsichas, lanternas, velas, torradas….
O Departamento de Teatro e Música da UC Davis está fazendo apresentações do The Rocky Horror Show no Mondavi Center e ontem eu trabalhei na estréia. Foi bem divertido, muita gente na audiência veio fantasiada e jogaram arroz e papel higiênico [salsichas e torradas não foram permitidas no teatro!], falaram com os personagens, dançaram e interagiram com os atores, que circularam muitas vezes pela platéia. A música é muito bacana, tocada por uma banda muito eclética, que fazia coro com vários super-heróis que nos ajudaram a levar as pessoas para as suas cadeiras numeradas.
Hoje o grupo faz uma apresentação às onze da noite e o teatro já está lotado, com quase todos os ingressos vendidos. Como a house manager ainda estava pedindo por voluntários, pois um show que começa às onze e termina à uma da manhã não atraí muita gente para trabalhar, eu me ofereci. E comprei um ingresso para o Uriel, que assim vai poder voltar comigo. Como conheço o teatro como a palma da minha mão, comprei um ingresso super bem localizado pra ele. Só resta saber se ele vai curtir o Rocky Horror Show tanto quanto eu curti!
» como começou a participação da platéia nas apresentações do filme.
» como e com que participar no The Rocky Horror Show.

  • Share on:
Previous
tictictic
Next
pares
  • Ei Fer! vim te visitar. Fazia tempo!! Vi as coisas como sempre gostei. Teu blog tem as duas qualidades que a tia do Proust achava fundamental
    -Siplicidade e distinção.
    Beijo

  • Lembra-se na lista.. qdo eu ficava reclamando que nunca conseguia assistir aos filmes que eram tratados… pois é.. as coisa não mudam tanto tempo assim… não vi nenhum dos candidatos a melhor filme.. embora só Ray ainda não tenha entrado em cartaz.. amanhã verei alguns pra tirar o atraso.. vou torcendo pra Kate Wistley (Brilho Eterno de uma mente sem lembrança) por enquanto.. eheheh
    beijos

Deixe uma resposta para Bert Cancelar resposta

o passado não condena