Amar é…

*

… esperar pacientemente na frente da porta ou já dentro do carro, enquanto ele resolve no último minuto antes de sair dar snack pro gato, pôr as latas de lixo na calçada ou dar uma meditadinha no banheiro.
… suportar com firmeza, sem engasgos de vômito, a visão dele passando maionese numa fatia de panetone, devorando um romeu e julieta de goiabada com polenguinho sabor alho ou misturando gelatina com sour cream.
… não se irritar quando ele estiver dirigindo e um velhinho passar vocês na freeway, pela direita.
… responder novecentas e quarenta e sete vezes a mesma pergunta.
… resistir à tentação de atear fogo naquela jaqueta de nylon que ele ganhou quando fez estágio numa empresa em 1983 e que ainda usa.
… escrever sobre os defeitos dele, fazendo tudo parecer singelo e simpático.

  • Share on:
Previous
um novo velho
Next
Adorable
  • Fer, e engracado como essas coisinhas de casamento sao parecidas em varias casas. Da alivio tambem, e bom nao estar sozinha.
    Agora, a jaqueta, eu daria sumico e ainda diria que fui eu mesmo, e dai?

  • Mina, os vinte e tres anos de estrada ja me mostraram que voce tem toda razao! 🙂
    Gisa, eu fico enlouquecida com as mixordias que ele faz. Nao sei como nao dah uma caganeira… 🙂
    Angelica, gostei da sugestao do sumico. Mas ele logo vai sacar que fui eu…. 🙂
    beijao, garotas!

  • Ih, esse primeiro item aí sou eu! Sempre que já estamos no corredor eu lembro de alguma coisa que faltou fazer e volto. Sempre mesmo. É incrível, parece até que faço de sacanagem, mas juro que não! Perdoe seu urso por isso, então, Fer, não é por mal.
    Agora, que essa jaqueta podia sumir num dia de lavar roupa, bem que podia, hein? Ser engolida pela máquina de lavar… ou deixada num quarto fechado junto com os gatos. 😉 hohoho
    beijos

  • Leila, os defeitos fazem parte do pacote. Imagina entao os meus na visao dele? 🙂
    Elisa, felizmente, para o bem da minha saude mental, compreendo que todo casamento tem dessas!! 😉
    Maga, obrigada pelo comentario e vou la correndo checar a historia da querida Cath!
    beijao pra voces!

  • Interessante seu post, Fer.
    De modo simpático, vc discorre sobre qualidades do parceiro não lá muito ortodoxas, deixando as entrelinhas revelarem o carinho que vc dedica a ele.
    Saindo do assunto do post, quero convidá-la a ver em minha página o papel bonito da Cath Linton falando sobre Aceleração do tempo/Ressonância Shumann e analisando o artigo polêmico de Leonardo Boff sobre o fenômeno.
    Beijinhos pra você.

  • Hohohoh!!! Só pra rir Fer, porque é impossível não se indentificar com algumas coisas ou pensar em outras. No final das contas, acho que essa é a graça do casamento!
    Beijo!!!

  • Um amor só é duradouro quando a gente aprende a conviver com as excentricidades e manias do parceiro… Coisas que irritam, no final das contas, são motivo de riso e saudade quando a gente está longe. Ou de posts lindinhos como esse!

Deixe uma resposta para Mina Cancelar resposta

o passado não condena