o buraco e outros horrores bucais

*

Fui tirar os pontos do….. buraco! Todo mundo no consultório do dentista estava com uma cara de ih, será que ela vai dar outra baixaria? Mas eu não me envergonho de nada, chorei e pronto, tá chorado. O dentista colocou umas fotos dos meus dentões escancarados na tela branca iluminada de um computador, que aumenta, diminui, mostra os micro-detalhes de tudo. Ele perguntou se eu queria olhar as fotos da operação e eu respondi que não com uma cara de horror e repulsa. Ele me falou que fez uma avaliação geral da minha boca e que eu vou precisar de um tratamento profilático em quatro dentes, onde a gengiva está mais afastada do que o normal. Eu entendo que depois de uma certa idade… cofcofcof…. os problemas mudam. Acaba a desgraceira das cáries e se inicia as tranqueiras gengivais. Fora aqueles dentes onde a gengiva está retrocedendo de tanta força que você coloca na escovação. É preciso sempre lembrar que nossa boca não é chão de cozinha e que a escova de dentes não é um esfregão.
Passei da conversinha com o dentista para uma das salas com a cadeira verdinha, onde a assistente prosseguiu com a tortura do dia e tirou os pontos, Graçasadeus está tudo bem, não tem inflamação, posso parar de tomar o antibiótico, mas vou precisar usar uma escovinha especial com o liquido de limpeza que eles me receitaram. Ela me deu um espelho pra segurar e foi mostrar como fazer a escovação do…. buraco. Vou falar que até agora, uma semana depois, eu ainda não tive coragem de olhar o … buraco. Então com o espelho em punho, olhei pro meu nariz, enquanto a assistente boazinha explicava, você escova aqui, aqui, aqui e aqui… Sim, respondi, sim! Mas não vi nada, nem vou ver tão cedo. Isso tudo pra mim é de uma violência sem par.
Marcamos outra hora para fazer o procedimento gengival. Eu falei da minha bexiga pequena e que preciso fazer muitos bathroom breaks. Contei que num tratamento de canal feito no ano passado num dentão lááá do fundo, eu precisei de vários breaks e fui ao banheiro quatro vezes com aquela parafernália de ferros e borracha esticada na boca. Quem me viu teve um bom divertimento. Quatro vezes!
Aqui eles são terrivelmente secos com questão de dinheiro. Não tem essa de pago depois queridinha, é tudo na bucha, olha o seu seguro vai cobrir tanto, você vai ter que desembolsar tanto e terá que ser no dia do tratamento e in full, não tem parcelamento, nem choro nem vela. Assinei um papel dando autorização pro dentista destruir a minha boca, caso necessário e me comprometi a pagar a minha parte. Hora marcada, thankyouverymuch, vejo você em breve.
Minha desilusão com essas coisas de dentes é incomensurável. Disse pro dentista e pra assistente, bem, eu planejava morrer com todos os meus dentes na boca, mas meus planos viraram pó, pois já tenho um dente a menos. Eles rolaram de rir. E agora chega desse assunto!

  • Share on:
Previous
não enche!
Next
picnic
  • Gabby, nao sei, naoooo seiiiii!!!!!!!!!!!! 🙂
    Silvia, o fato do dentista ser flor [que eh o caso da minha atual] nao muda nada pra mim, infelizente… Que coisa, que trauma! Beijaooooo,

  • Fer, eu não tenho problemas com dentista, talvez porque tenha sempre me tratado no mesmo, que é uma flor de pessoa, super delicado e compreensivo. Mas entendi completamente você e sinto muito mesmo pela sua perda 🙁
    Atualmente eu não tenho mais coragem de olhar a minha boca… o mapeamento é apenas lingual.
    Beijos solidários!

Deixe uma resposta para Silvia Cancelar resposta

o passado não condena