office space

*

Eu tenho um escritório super bonitinho, pequeno, arejado, iluminado, decorado com fotos nas paredes, cadeirão onde os gatos dormem, desk legal com todas as minhas coisas organizadas – dicionário, agenda, bloquinho, grampeador, durex – uma mesa de costura ao lado, abajour, tapete, cadeira giratória, enfim, toda a parafernália. Mas não estou mais lá por causa desse problema com o wireless, que eu não consigo entender o que é que pega. Os inquiinos da guest house não mexeram na antena [que fica lá] e o computador não pega o sinal de um lado da casa. Detesto bagunça, coisarada fora do lugar e essa semana só aturei a bolota na mesa da sala de jantar porque andei super ocupada, numa correria total e nem tive tempo pra ficar irritada. Mas hoje, porcamiséria, não dá mais! Tentei todos os cômodos da frente da casa e nada. A solução foi descolar uma mesícola e instalar a bolota no meu quarto, que fica diretamente em frente da casinha de hóspedes. Estou num mal ajambramento total. E o meu filho – o técnico lindo e charmoso, está em Washington e não pode me ajudar.

  • Share on:
Previous
Robot Doc
Next
greetings!
  • Tem uma coisa mais arcaica – ainda em uso – que atrapalha muito e não lembramos: rádio amador. Vê se não tem algum vizinho com um.
    Por outro lado, incrível como no país da tecnologia essas coisas acontecem. bjs

  • Fe,
    Nao seria algum equipamento dando interferencia, como telefone s/fio, microondas ou algo do tipo?
    Ate mesmo a frequencia de uma outra rede pode influenciar. Conheco 1 pessoa que teve problemas pq qd estava usando a conexao wireless a qualidade caia qd o vizinho tava c/telefone ligado.
    Sei la… Talvez o atualizar o firmware do roteador ou nao?
    Ideias…ideias…ideias…
    Beijo e boa sorte

  • Putz Fer, na época da conexão discada, passar alguns dias sem conseguir acessar a internet era até compreensível. A gente xingava, esperneava, mas no final das contas engolia. Agora, ficar sem internet tendo conexão wireless, é ruim hem! Espero que se resolva logo! Beijão!

Deixe uma resposta para Liliane Cancelar resposta

o passado não condena