Mondavi é o centro para as artes

*

Quando eu escolho os shows em que quero trabalhar a cada nova temporada do Mondavi Center, não arrisco muito. Vou tateando pelo Jazz, Gospel, teatro, shows internacionais, como os japoneses, os africanos, os brasileiros. Claro que se tem uma Margaret Cho ou o Rock Horror Show, eu estarei lá, mas pulo as sinfônicas, as óperas, os balés clássicos, acrobatas chineses e palestras em geral. No começo eu arriscava mais, porém aprendi que não ver show nenhum é muito melhor do que enfrentar um show chato, com uma platéia chata e ficar irritada ou bocejando por duas horas.
Terça-feira eu arrisquei e ganhei. Sei lá por que me inscrevi num show que nem sabia que tipo de música era. Acho que li rápidamente a sinopse e achei que valeria a pena. Foi realmente interessante, três shows em um. Uma opereta moderna do argentino Osvaldo Golijov, interpretado pela soprano Dawn Upshaw e o grupo eighth blackbird. O programa estava confuso, mas foi bem diferente. Outro argentino, radicado em Los Angeles, Gustavo Santaolalla, apresentou quatro canções muito bonitas, duas acompanhadas pela linda voz da Dawn Upshaw. Depois o grupo eighth blackbird apresentou uma composição ultra-moderna do compositor Derek Bermel e finalmente Dawn e os blackbirds interpretaram Ayre do Golijov. Muita gente não gostou do enfoque moderno que o argentino deu para a música clássica, mas eu gostei bastante.
Ontem trabalhei numa performance clássica do McCoy Tyner Trio. Piano, violoncelo e bateria, numa apresentação suave, sofisticada e concisa. Tyner foi amigo, compositor e pianista do John Coltrane. Só esse detalhe do curriculo dele já bastava para levar centenas de pessoas ao teatro. Eu particularmente gosto muito do público de Jazz, pois eles têm uma vibração legal. Claro que sempre aparece um chatonildo irritante, como o casal que trocou de ingressos três vezes porque não gostaram do lugar designado e no final acabaram sentando reclamando que ainda não estavam satisfeitos, mas, for peter’s sake, não dava mais tempo de fazer outra troca.

  • Share on:
Previous
nem preto, nem branco
Next
saskatchewan, porca miséria!

Deixe uma resposta para boczon Cancelar resposta

o passado não condena