um, dois, três…

*

O Caio me contou que a Rosa Parks morreu. Li com atraso, no final de setembro, sobre a morte do RL Burnside, o bluesman punk. É sempre triste quando alguém querido e talentoso morre, mas nunca fiquei tão chateada com a morte de uma celebridade ou artista, como quando li sobre a Nina Simone…..
Agenda social da semana lotada até sábado. Num almoço dos docentes da I-House no inicio do verão, fui conversar com uma senhorazinha de uns quase oitenta anos que é uma fofa e ainda se chama Pearl. Acho que iniciamos um papo sobre os eventos dos teatros da cidade e eu mencionei algum show legal no Mondavi, quando ela abriu a agenda para checar se iria ou não. Fiquei de queixo caído, pois nunca tinha visto uma agenda tão cheia de compromissos.
Fui comprar carne e vinho e voltei com o dvd do filme do Martin Scorsese No Direction Home. Certas coisas são imprescindíveis nesta vida!
Eu tenho o prazer do cozinheiro olhando as pessoas comerem com entusiasmo e gula. Se alguém não está comendo o que eu preparei vou logo perguntando, tem algo errado? Mas também sempre acho que está faltando sal, ou está muito salgado, ou passei do ponto. Já cometi gafes imperdoáveis, como esquecer de colocar o azeite no tempero da salada e deixar meu convidado com a boca toda marrenta.
Quando eu decido, tá decidido – i ain’t gonna work on maggie’s farm no more.

  • Share on:
Previous
ainda de roupão
Next
pedalando

Deixe uma resposta para telinha Cancelar resposta

o passado não condena