picadinho

*

Eu sabia que isso iria acontecer: pagar a academia e não aparecer por lá. Mas é dezembro, né gentiiii…….
Sentei na sala para assistir televisão por uns minutos com o Ursão e vi um comercial do perfume nº 5 da Chanel com a Nicole Kidman e o Rodrigo Santoro. Ela é uma diva rica e famosa fugindo dos fotógrafos e sendo resgatada pelo galã anônimo. Tudo suuupeeerrr cafonééééérríííímoooooo!
Assistimos juntos a um episódio de What Not To Wear no TLC e o Urso ficou revoltado, como esses dois ridículos ousam criticar dessa maneira as roupas da coitada da moça? Ora, ora, quem já não teve o desprazer de cruzar com figuras que parecem saídas do catálogo da Lerner metendo a boca nas roupas e na maneira como os outros se vestem?
Limpei a horta, depois de um verão prolífero, e ainda achei uns tomates vermelhos escondidos no meio das folhas e dois pimentões. Vi, com tristeza e irritação, que o gopher voltou cavocando tudo. Não tem jeito, nunca consegui manter a horta no inverno.
Levei um susto quando saí no quintal e vi minhas árvores peladas. Muda o visual e o astral. Agora temos uma pilha de meio metro de folhas secas num canto do quintal, esperando serem ensacadas e descartadas.

  • Share on:
Previous
o que?
Next
thank you for your order
  • Fer, não descarta essas folhas não! Elas são adubo de primeira categoria…Vou te dar duas sugestões: ou você põe num latão, junto com um pouco de adubo e cobre, mexendo de vez em quando pra virar composto orgânico. ou então cobre com elas o solo da horta, elas protegerão os canteiros do excesso de frio e ainda vão virar adubo.
    Pra voce não precisar mexer na compostagem com as mãos, pode tampar bem a lata, fazendo pequenos furos na lateral (pra respiração da terra) e rolar pelo terreno de vez em quando. Só pra misturar a terra, sacou? ;o)
    É isso.
    Beijo

  • voce nao imagina o oba-oba que fizeram por aqui quando souberam que o santoro ia fazer esse comercial. eu achei bonito, apesar de cafona, bem a cara da chanel. 😉

Deixe uma resposta para BethS Cancelar resposta

o passado não condena