do vinte e quatro ao primeiro

*

Oficialmente já é outono, mas na prática estamos naquele período de transição, quando não sabemos o que vestir, casaco pela manhã, mangas curtas à tarde, os últimos tomates e abobrinhas dividindo a cozinha com abóboras de todos os tipos, cores, formatos. Expectativa do que vem pela frente.
No segundo semestre do ano todo mundo da minha família original—pai, mãe, irmãos—faz anos. Não posso esquecer de anotar, ligar. Eu também sou fruto de uma primavera brasileira e hoje amadureço serenamente no outono.
Então ficamos assim, quando a estação realmente pegar velocidade deixando a paisagem dourada, chegará o dia das bruxas, depois o dia de dizer obrigado, e na sequência aquela profusão de festa, festa, festa, festa, que chega a cansar a beleza.
Outubro é um mês marrom, cor de chocolate com tons laranjas e dourados, um cheiro de torta de abóbora, noz moscada e canela. Outubro é o mês mais feliz, o mais bonito, o mais charmoso, tudo, tudo de bom.
Contagem regressiva!

  • Share on:
Previous
somos nozes
Next
mais um
  • Sinto invejinha de pessoas que moram em países onde as estações são bem definidas. Onde moro é assim: calor insuportável, calor normal, calor insuportável, calor normal…
    Só posso dizer que adoro o outono “alheio”, pois não tenho um pra chamar de meu! 🙂

  • ai ai
    Será que meu comentário entrou? Seu bloguinho anda contra mim ultimamente.
    Ah, sim! não esquecendo de dizer que vc é mais velha. rsrs
    beijos

  • Fer, aqui está uma primavera muito fria, vamos ver como será quando começar a esquentar. Acho lindo o outono daí, com suas flores douradas, mas sabe o que eu gostei mesmo? Foi de descobrir que as castanhas tinham essa outra “embalagem” além da casca durinha. Eu, como uma pessoa que só conhece as castanhas do supermercado, não sabia disso. obrigada por nos mostrar!
    Beijos

  • É mesmo! Eu tb sou de Outubro 😉 e é isso, hj queria pintar o meu blog de castanho, amarelo e laranja e chego aqui e leio isto…
    saudades de vir aqui.
    Um gd beijo

Deixe uma resposta para Isa Cancelar resposta

o passado não condena