a anta nada bem

*

Depois que a minha mãe me informou que as antas são exímias nadadoras não posso mais dizer que “nadei como uma anta”. Nadei como uma rinoceronta, então. Me senti tão devagar e pesada, além de ter sei-lá-como dado um mal jeito no ombro. Nem gosto de imaginar a cena visualizada por quem estava no cimento, olhando pra rinoceronta se estabanar e esbaforir na água. Estava demais, desanimador.
Meu coach diz que eu sou muito negativa, que sempre acho que estou pior do que realmente estou. I can’t help it, nasci assim pessimista, daquelas que sempre acha que o copo está meio vazio. Mas ele disse que estou bem e eu reclamei que não quero ser corrigida nos micro-detalhes. Estou acumulando detalhes pra aumentar a minha má fama. Mas eu vivo repetindo pra mim mesma e pra quem quiser ouvir que o fato realmente importante é eu estar diáriamente naquela água, nadando, nem tanto como uma anta, muito mais como uma rinoceronta.

  • Share on:
Previous
lucky charms
Next
a vida na tomatolândia
  • Leila, meu melhore estilo eh free. Depois eh peito. Costas e borboleta eu gosto de fazer com fins, porque facilita. Ah, preguicaaaaa! 😉
    Liliane, eu tambem penso em anta qdo vejo gente meio burrinha. Que injustica com o animal, nao?
    beijos!

  • FEr, chamo as pessoas de “anta” qdo são meia demente, meia parada. Nem sei se anta é assim. Se elas sabem nada, aprendi agora, com sua mãe.
    beijo,
    Liliane

Deixe uma resposta para Liliane Cancelar resposta

o passado não condena