O dia que [quase] não existiu

*

Comecei a sentir uma dor de estômago na sexta-feira e somente na segunda-feira joguei a toalha e pedi pra ir ao hospital. Como a maioria das pessoas sensatas, eu odeio hospitais. Mas me rendi, porque não dava mais. Pleno feriado, bandinha tocando no parque, pessoas felizes se preparando para fazer picnics e passeios, e eu dando entrada na emergência do hospital da cidade. Entrei às dez da manhã e saí às sete da noite. Passei por todos os exames possíveis, de sangue, urina, raio-x, até resolverem fazer um cat scan. No meio tempo me deram um cocktail de remédios que não adiantou nada, e depois uma dose pequena de morfina que pra mim, desacostumada com medicamentos, foi um verdadeiro nocaute.
Tenho que abrir um parêntese pra falar sobre essa experiência. Alías, sou uma pessoa certinha e só faço drogas legalmente, dentro de hospitais e consultórios médicos e dentários. Fiquei muito impressionada com o poder da morfina. Agora entendo porque essa droga é administrada em pacientes terminais. Ela simplesmente te leva pra outro planeta. Foi uma coisa rápida e totalmente baqueante. Eu senti a droga entrando na minha corrente sanguínea, engrossando o meu sangue e tomando controle de tudo. Fui para xangrilá. Mal conseguia falar, mexer as mãos e manter os olhos abertos.
A vantagem de ter ganhado uma viagem de morfina, foi que consegui passar as muitas horas de espera, para fazer o cat scan e os resultados, completamente apagada. No final, o diagnóstico foi uma possível gastrite, que está sendo tratada e monitorada. O scan achou outras coisinhas—nada sério, mas que vou ter que cuidar em breve. Passei o feriado enclausurada numa prisão, que é como a gente se sente dentro de um hospital, desprovidos das nossas roupas e da nossa dignidade. Tudo por um diagnóstico, que nem sempre é cem por cento exato.

  • Share on:
Previous
um magnetismo que cansa a beleza
Next
red
  • Nesse dia estava em Orlando, FL com minha esposa celíaca experimentando tudo o que a culinária sem glúten tem a oferecer nessa cidade, inclusive na companhia do Mickey e sua turma. Já te falei, faça um exame para que você tenha certeza de que não é celíaca, afinal quando conheci a Marilis ela vivia com estoque de Malox na bolsa, era gastrite todo o santo dia.
    http://www.semgluten.com.br

  • oi, Fe!
    Também achei estranho… aí não fazem endoscopia? Eu estou sem coragem de fazer, mas desde o ano passado tenho um diagnóstico não 100% de úlcera duodenal… ô coisinha chata…
    Melhoras!

  • Fer, desejo que voce melhore rapido. Tb passei esse feriado no hospital mas acompanhando o Todd que pegou Staph infection durante sua operacao no joelho. Not fun at all!

  • Oh, Fer! Espero que melhore loguinho dessa gastrite, Imagine, so faltava agora voce ficar cheia de restricoes alimentares, pode nao. Sinto muito pelo feriado perdido, a gente tem tao poucos por aqui, ne? Beijos.

  • Fernanda! this was after we saw you? Please be careful and take some good rest — and breathe deeply. I know you’re going through a lot.
    Love and hugs,
    a.
    x

  • O Fer, que chato! Senti a sua falta mas não imaginei que tivesse sido por algo tão desagradável. Vai correr tudo bem, você é inteligente e sensata não vai deixar isso agravar, ok?
    Beijocas. P.S. Dê noticias.

  • Ai Fer, eu espero que isso tenha sido um pouco o fruto do cansaço e que logo você ja esteja em forma total. Muito relax pra você e se cuide bastante. Beijoconas.

  • Ô Fer, relato de dor no estômago e os médicos não pedem logo uma endoscopia?
    você pode estar com aquela bactéria H. Pillori, que provoca gastrite e úlcera. Na hora que vc está fazendo a endoscopia, o médico já faz o teste pra saber. Eu e minha mãe já fizemos isso. No meu caso, não havia a bactéria, mas a minha mãe, sim, fez um tratamento de 15 dias com antibióticos específicos e acabou com a malvada.
    Procure saber, pq é uma possibilidade.
    Mas que bom que vc já está bem novamente, fico feliz.
    Beijos

  • passei o sábado num vaivém cama-banheiro, completamente estragada. não joguei a toalha e não fui pro hospital, que também detesto, mas depois de muito cházinho tô quase boa, e torcendo pra não dar outra crise dessas pra não ter que ir mesmo pro hospital.
    te cuida, vai ficar tudo bem. :*

deixe um comentário

o passado não condena