why do you suppose?

*
Bette Davis Loretta Young

Porque precisava estar razoavelmente apresentável pra ir a uma festa à noite, fiz-me o favor de lavar o cabelo com condicionador. pf..

Comprei uma jaqueta linda de veludo cotelê na thrift store e pensei, só vou usar isso no ano que vem. Usei ontem.

Começou o declínio. Já estou com uma doença de gente velha––bursite trocantérica, a.k.a bursite do quadril.

O coleguinha me contou que na festa de despedida de solteiro que ele foi em Austin, TX rolou até cocaína. As if I needed to know. ¯\(°_o)/¯

Na escola primária uma menina me perseguia na saída das aulas, ficava atrás de mim, me ridicularizando, falando coisas e fazendo gestos. Num belo dia eu parei, virei e girei a maleta de couro cheia de livros direto na cara dela. Foi um alvoroço. ela chorando, chamaram os pais. Detesto confrontos, evito o quanto posso, mas tem horas que a única reação possível é uma mala na cara, bem direta. Essa história é um resumo da minha vida.

Decidi usar as camisas do Uriel que ele não usa. São todas lindas, de marca boa, estampas legais, botões giros, compradas por mim, que tenho bom gosto, algumas ainda com a etiqueta da loja pendurada. É muito desaforo!

Um diretor novo sentou na nossa mesa pra almoçar e contou que decidiu perder peso, começou, achou tão fácil, continuou e exagerou. Perdeu tanto peso que os colegas pensaram que ele tava com câncer. Todo mundo com medo de perguntar, foi um alivio quando ele revelou o motivo da magreza. Cortou carboidratos e diminuiu as porções, me disse. Adoro histórias de gente decidida! Nesse dia ele comeu uns hambúrgueres de feijão, milho refogado e duas laranjas. E comeu com a gente na cozinha e não trancado no office, na frente do computador.

alguém––adorei seu perfume, posso perguntar o nome?
eu––sim, se chama Cannabis.
alguém––Ca-na-bis?
eu––não, tem dois enês, Cannabis.

Recomendo, mas não espalhe. Também não espalhe que é perfume de homem.

Minhas fotos de flores parecem não ter fim.

  • Share on:
Previous
on Earth Day

deixe um comentário

o passado não condena