bem-vindos!

*

Me ligaram em cima da hora pedindo por favor para eu ir falar sobre o Brasil para um grupinho de Summer campers. Essa não é bem a minha praia, mas não consegui dizer não. Munida de uma jarra de guaraná com gelo e limão, dois cds de música brasileira e a bandeira tridimensional do Guto, fui enfrentar as ferinhas. Era um grupo de dez crianças de sete a oito anos. Uns bagunceiros! Perguntei se eles sabiam que língua falávamos no Brasil. Eles responderam ‘Spanish’ e ‘Brazilian’. Eu expliquei que era o português e os ensinei a falar ‘oi’, ‘obrigado’ e ‘tchau’, falei sobre as cores da bandeira, carimbei os passaportes deles e disse ‘bem-vindos ao Brasil!’, quando eles responderam ‘obrigado!’ e fomos pular amarelinha, cada casa com o seu número em português. Um, dois, três…dez. Eles beberam o guaraná e gostaram, depois ouviram um menino de dez anos do Rio de Janeiro chamado Pedro tocar o cavaco e cantar sobre um sonho que ele teve. Terminaram a viagem pelo Brasil dançando com os indiozinhos guaranis de Ubatuba, que cantavam uma música ritimada falando sobre um pássaro amarelo. Eu me despedi dizendo ‘tchau!’ e eles responderam com um sonoro ‘obrigado!’. Até que gostei da viagem, mas não sei se quero voltar…

  • Share on:
Previous
café da manhã
Next
inbox
  • Clap; Clap; Clap!
    Perfeito!
    Imagine se essa fosse sua praia.
    Até eu aqui adorei a lecture (practical). performática.
    Essa do passaporte, mon Dieu!
    E as respostas. Eu daria A para o menino que disse Brazilian, pois o outro que disse Spanish já tá no mau caminho, pronto pra dizer que a capital é Buens Aires:-))))
    Fezoca, junto-me aos demais: Que má-xi-mo!
    Volte sim e conte pra nós.
    Beijocas.
    P.S O que a sua vida *não* é, é monótona. Definitely

  • Fer, que legal! Deve ter sido muito legal, contar coisas para a criançada. Fico aqui imaginando a cara deles, quando descobriram que falamos o português, hehehe.
    Que bom que minha bandeira ajudou.
    Volta sim, que pelo jeito é legal.
    Beijos,

Deixe uma resposta para alvaro Cancelar resposta

o passado não condena