coisas que eu não conto pra ninguém

*

Como, sair em prantos de uma loja por causa de um cachorro.
Eu estava na thrift store do SPCA, onde todas as vendas revertem para ajudar os animalzinhos no shelter, e ouvi o pedido das mocinhas que atendiam ao público: quer fazer uma doação para o cachorrinho que precisa ser operado? Eu perdi até a vontade de olhar as bugigangas e quinquilharias da loja. No balcão tinha um vidro com dinheiro, uma cartinha explicando o acontecido e duas fotozinhas do bichinho todo estrupiado, machucado na cabeça e precisando de uma operação urgente. Nem consegui ler direito a história, enfiei uns dólares no vidro e saí da loja correndo, aos prantos, lagrimotas gigantes pingando na minha blusa.
Dirigi por um tempão chorando, sem conseguir me controlar. Eu dou esses bafões sempre, por causa de gente, de animal, até de planta se bobear. É muito duro ser assim, mas infelizmente é assim que eu sou.

  • Share on:
Previous
noite junina
Next
meu quadrinho favorito
  • Puxa o meu comment saiu aí embaixo.
    :-(((
    Será que vc vai ver?
    Ah se for ver o blog Biscoito Fino, então veja post de ontem, e o comentaiozão que fiz. Quem sabe vc não acha uma Fer Guimaraes Rosa;-)))
    Vc viu? leu?
    O Álvaro tem razão.

    P.S Confeso que estou perdidona nos comments.

  • Achei que era só eu que reagia assim (risos). Eu sou uma molengona declarada, principalmente e especialmente com bichos. Nem sei quantas vezes já saí chorando no meio da rua. Beijão.

  • Não acho que seja duro ser assim… (Também sou.) Às vezes acho que é estranho, tem gente que não entende, acha bobagem. Mas eu prefiro quem sente, expressa o que sente e faz algo pra ajudar, do que tanta gente insensível que existe por aí. Beijão.

  • Normal. Faria o mesmo. Aliás e poderia até me sentir culpado de dizer isso, me condoou mais com cães que com gente, pois gente sempre tem quem ajude e animais sempre tem quem os chute. Sampa tem milhares de cães abandonados e eu tenho vontade de recolher todos.
    Andei fora deste planeta mas estou de volta e não poderia deixar de vir aqui, afinal o Fezoca foi o primeiro blog que conheci, quando nem sabia o que era isso! Beijos

Deixe uma resposta para Meg Lee Cancelar resposta

o passado não condena