ilusão coletiva

*

Dois dias de temperaturas amenas e sol brilhando, a paisagem já mudou. Me refiro também à paisagem humana. Os gramados da universidade se encheram de gente, todo mundo escarrapachado no verde, tomando um solzinho. Uns lendo, outros comendo ou dormindo, uma menina fazendo macramê, um cara sentado com as pernas em lótus e braços levantados em posição de ioga embaixo de uma árvore. Vi apenas um meditando porque estou na UC Davis. Se estivesse na UC Berkeley veria pelo menos uns dez. E gente dançando, que esses ainda não vi aqui. Mas verei, quando o verão realmente chegar. Acontece que ele ainda não chegou! Mas o povinho não quer nem saber e já trocou até o guarda-rupa. Da janela da minha sala posso observar a movimentação do centrão do campus e só tenho visto chinelos e mais chinelos – uma invasão de pernas brancas e pés pálidos nunca vistos antes. E shorts, mini-saias, blusinhas de alcinha, óculos escuros, chapéu de palha, garrafinhas de água…. Peraí, peraí, calma, né, people! Mas o caso é que de tanto olhar pra esse visual verânico da minha janela, acabei convencida que fazia realmente um calorão e saí para almoçar sem levar o casaco. Cheguei em casa tremendo de frio e com as mãos roxas. Foi só dar uma esquentadinha que rolou uma histeria geral. O que esse pessoal vestindo chinelo está pensando da vida?

  • Share on:
Previous
sofre, glamourete, sofre
Next
na folga
  • O povo se anima logo quando sai um solzinho, né?
    Quando estive no Norte da Espanha, em julho, tinha um monte de gente (russos, canadenses e poloneses) que quando o termômetro marcava 16° queriam logo ir à praia. Chinelos, blusas de alcinha e bermuda, pra mim, só quando faz calor, muito calor.

  • Veranicos no hemisfério norte: há que aproveitá-los antes que terminem! O daqui, por exemplo, já foi pras cucuias. Hoje o tempo está na maior cara feia e o NY Times promete nevinha. Pro fim de semana, então, a promessa é nevão mesmo. Ah, gosto de ver neve. Mas te juro que, se tivesse que escolher entre o ruim e o pior, preferia o pior de um daqueles dias escaldantes de verão em Nova York. Daqueles que até pra ir do quarto a sala se torna custoso. Tudo pra não ter que me confrontar com frio de esquimó, ruas enlameadas de barro frio, desânimo pra botar o nariz na calçada, esses mimos que eu imagino que vc conheça, apesar de viver na ensolarada California.

  • Veranicos no hemisfério norte: há que aproveitá-los antes que terminem! O daqui, por exemplo, já foi pras cucuias. Hoje o tempo está na maior cara feia e o NY Times promete nevinha. Pro fim de semana, então, a promessa é nevão mesmo. Ah, gosto de ver neve. Mas te juro que, se tivesse que escolher entre o ruim e o pior, preferia o pior de um daqueles dias escaldantes de verão em Nova York. Daqueles que até pra ir do quarto a sala se torna custoso. Tudo pra não ter que me confrontar com frio de esquimó, ruas enlameadas de barro frio, desânimo pra botar o nariz na calçada, esses mimos que eu imagino que vc conheça, apesar de viver na ensolarada California.

  • Li a primeira frase desse post e só li o resto depois de uns cinco minutos sonhando. “dois dias de temperaturas amenas”… ai, ai…
    😉
    Mas esse “fenômeno” de empolgação geral é exatamente como aqui no rio, só que inversamente. A temperatura cai um pouquinho e a rua já fica cheia de gente com casacos e mais casacos. Sonhando com um inverno que não existe e nào vai chegar nunca! hahaha
    beijos

Deixe uma resposta para Enio Cancelar resposta

o passado não condena