cara-a-cara

*

Trocamos alguns emails, fui formando uma imagem, uma impressão. A escrita é muito fria, engana, distorce, nunca nos mostra a verdadeira faceta do outro. Depois veio a voz pelo telefone, que já acrescentou uma vivacidade maior, um outro item ao conjunto, e foi dando um contorno muito mais exato. Mas a melhor coisa é o encontro pessoal, quando se dá o abraço, se olha no olho, junta a voz com a pessoa em carne e osso, e se pode ver a personalidade ali escancarada, simpatia à primeira vista! Esqueça os emails. Você não conhece realmente ninguém até ficar cara-a-cara com a pessoa.

  • Share on:
Previous
sigambá, gambamos
Next
longos dias
  • Fezoca, acabei de receber de volta um e-mail que lhe mandara minutos atrás. Agradecia seu apoio e carinho pela perda que sofri. Por isso, estou fazendo uso indevido de seus comments, mas não podia deixar de abraçá-la ternamente pela preocupação que teve comigo.
    Beijinho.

  • Querida, sabe o que vou lhe dizer:
    È isso que se chama escrever bem. Você fez um post tão bonito, que eu nem vou discutir se às vezes isso é certo, é justo como você diz, mas outras vezes, seria melhor não conhecermos.
    Pois na escrita, muita gente põe o melhor de si.
    E aí vai ver…
    Olhe querida, lindo esse post da forma como está escrito. E bacana pra quem teve esse prazer, essa rara felicidade de conhecer você pessoalmente, linda
    beijos, muitos

  • É verdade, Fer… Mas na maioria das vezes acontece o contrário, a escrita parece mais simpática e mais quente do que a pessoa em carne e osso. Tem gente que é muito reservada, tímida, mas se solta ao escrever.

Deixe uma resposta para Leila Cancelar resposta

o passado não condena