Como broxar uma conversa

*

I. Você está contando um causo para uma pessoa e ela está espremendo a boca num bico, tentando segurar sem sucesso inúmeros bocejinhos. Na primeira vez você pensa, vai ver a pessoa não dormiu direito. Mas daí você percebe que o ataque de bocejinhos acontece sempre que você está contando um causo. Nunca acontece quando a conversa muda de lado, e a pessoa começa a contar o causo dela. Broxante.
II. A pessoa te pergunta como vai isso ou aquilo, e cinco segundos depois que você responde, ela dá aquela virada de cabeça pro outro lado e murmura um ” ahran” fazendo a cara de maior desinteresse que você já viu na sua vida. Essa é a mesma pessoa que te apoquentou os piquás, falando sem parar no seu ouvido por meia hora, sobre um probleminha que você couldn’t care less que aconteceu com ela, e você ouviu. Broxante.
III. Você estå falando ao telefone, contando algo, quando de repente a pessoa do outro lado começa a falar coisas que não tem nada a ver com a conversa, e você fica confuso por uns segundos, até perceber que a falação não é com você, e sim com outra entidade presente do outro lado da linha – os filhos, a empregada, o encanador, o cachorro, o periquito. Quando a pessoa volta a falar com você, você já até esqueceu o assunto. Broxante.
IV. Você está contando um causo e a pessoa fica te interrompendo para: terminar as suas frases, ou puxar o assunto pra ela. No primeiro caso, a finalização das frases é sempre equivocada, e no segundo caso, esqueça, você nunca vai ter a chance de voltar ao seu assunto e terminá-lo. Não é realmente broxante?

  • Share on:
Previous
Sol Na Casa 8, Lua Na Casa 1
Next
Vi a lua no céu
  • hehe, broxante, broxante, broxante, broxante!
    anteontem fui num bar local com uma pessoa que ta passando por uma barra, entao meus ouvidos tem sido um “pinicao” nestes ultimos meses. como sempre, ele falou, falou, falou, ate nao poder mais. quando cansou e era a minha vez, bocejou tanto que chegou a pescar sentado no sofa!
    argh!

  • Quando isso acontece e a pessoa é daquelas que eu sempre presto atenção no que falam, dou uma de chato e na cara dura cobro atenção dela. É o melhor remédio para elas aprenderem.

  • Hahahaha!
    Ah Fer eu realmente não agüento: esses posts são dos melhores. Você sabe.
    Olhe, aguarde que que estou lhe devendo uns dois emails.
    Mas o meu carinho como vc sabe continua imenso e maior.
    **
    Nesses casos só dizendo:
    Valei-me Tom Cruise!!!
    Use seu witchcraft…
    Ahahahah
    Beijos, querida

  • Isso também me enlouquece e acontece seguido. Eu nao sou muito faladeira, principalmente qdo a outra pessoa fala mais que eu. Entao às vezes eu conheço uma nova pessoa, que me parece simpatica…dai encontro uma, duas vezes, a pessoa aluga tanto as minhas orelhas, que eu largo de mao…
    Beijocas.

  • Fer, voce realmente pos o dedo na ferida. E’ assim mesmo que acontece. Tem muita gente ai que so quer falar dela ou o que acontece com ela, mas nunca quer ouvir. Eu detesto quando uma pessoa fica bocejando varias vezes quando eu estou falando com ela…Nesses casos e’ melhor terminar a conversa rapidinho.

  • Rindo de suas colocações. Para todas as alternativas, quando acontece comigo, com uma “educação finíssima” que me é peculiar, mas totalmente aplicável no caso, digo ‘esquece’ e encerro o papo. Gosto de diálogos. Monólogos só no teatro. Beijão pra vc.

  • Fer, maravilhosa essa compilação de situações broxantes. Não há quem não se reconheça em todas elas! Cadê a indústria, que ainda não inventou o Viagra para diálogos?
    É sempre impressionante a quantidade de pessoas que não ouvem – só esperam pra falar.
    Beijos

deixe um comentário

o passado não condena