está cada vez pior

*

Sonolenta, ouvindo Neil Young pelos fones de ouvido e chorando, de molhar os ombros. A assistente do dentista, vez e outra, enxugava as minhas lagrimas delicadamente com um lencinho de papel. Eu quero acreditar, preciso acreditar, que há outros assim como eu por aí, que não é uma coisa rara, nem inédita, nem errada, ser assim tão sensível.

  • Share on:
Previous
27ºC
Next
tédio, nunca mais!

Deixe uma resposta para Márcia Aguiar Cancelar resposta

o passado não condena