agitos de sábado à noite

*

Saindo do banho, fui afastar com o pé direito a balancinha de pesar que achei que estava muito próxima do chuveiro e fiz um corte no dedão. Soltei um xingo alto, pois não doeu nada, somente o meu orgulho, que vive sendo ferido por essa minha incapacidade de me manter inteira, intacta, sem cortes, sem queimaduras, sem cicatrizes. Mas o dedo começou a jorrar sangue. Pingava pingos imensos daquele liquido de cor vermelha, da qual já ando entojada. Coloquei o pé apoiado na privada e enquanto olhava assustada a água ficar negra, gritava pelo meu marido, que estava em casa convalescendo de uma gripe. Quando ele me acudiu e me colocou dentro do chuveiro, para lavar a meleca vermelha, cai desmaiada, enrolada na toalha de banho, completamente despida das minhas virtudes e dignidades. Voltei ao mundo dos seres conscientes com a sensação de uma toalha molhada em água gelada refrescando a minha testa e o som da voz dele falando comigo. Fiquei um bom tempo deitada lá, no chão de ladrilhos frios e molhados. Ele limpou o dedão com algodão e água oxigenada e disse—é um corte de uns 5 milimetros, talvez precise de uns dois pontos. Não quero ir ao hospital, retruquei. E não fui. Pleno sábado à noite, filme na tevê, gato sassaricando animado, eu com o dedão coberto por um curativão e meia, me sentindo uma completa parva.

  • Share on:
Previous
os pés de Michael Pollan
Next
para a nossa segurança
  • Em meu último desmaio, provocado por um antibiótico super poderoso, acordei e o chão tava perto, o teto tava longe e o Dedé tava chorando, vê se pode. Surreal :o)
    A capacidade de se machucar é inerente às pessoas muito inteligentes, lindas, espertas e maravilhosas, hehehe, é o que eu acho…

  • Uma vez estava preparando às pressas uma janta improvisada para meu irmão. Enquanto fritava um hamburger resolvi abrir um pacote de queijo com uma faca sem fio, adivinha só?! Cortei meu indicador e do que parecia um minúsculo corte inocente começou a sair tanto sangue, minha pressão despencou, o sangue do rosto “esvaiu” pelo corte e eu precisei ficar sentadinha um bom tempo! Pior foi aguentar a gozação da família! Adoro seu blog!

  • oi, Fe!
    Há um ano e pouco desmaiei pela segunda vez na vida. nem vale contar o episódio. hihi Mas, caí de frente, não sei como não quebrei a cara. Fiquei com o lado esquerdo todo ralado e uma pequenina cicatriz no ombro. Oh, God! Por que somos tão desastradas??? rsrs Eu vivo me machucando. tem gente que me diz brincando: não vai se matar! rs
    beijos e melhoras no dedão!

Deixe uma resposta para Lu Cancelar resposta

o passado não condena