mais um dia quatro de julho

*

Eu já entendi que meu carma, minha sina aqui neste planeta é aprender a desapegar. Posso até desapegar de várias coisas materiais, mas nunca vou desapegar de certas memórias. Como a de um certo quatro de julho de um ano que não lembro mais, quando ouvi o barulho dos fogos de artifício às dez da noite e saí sozinha no quintal pra ver as luzes que pipocavam no horizonte. Pisei na grama fria, sentindo o frescor da noite depois de um dia quente, a tal brisa do Delta tão esperada, e tentava ver os fogos quando virei e vi a minha casa através das janelas, as luzes acesas lá dentro, a escuridão lá fora ajudando a dar mais destaque para a sala, a cozinha, o quarto lá em cima, o banheiro. Nunca vou esquecer da alegria que senti olhando a minha casa de fora para dentro. Posso com certeza desapegar da casa, mas a lembrança desse momento de felicidade olhando para ela numa noite de quatro de julho vou carregar para sempre comigo.

  • Share on:
Previous
quinze pra uma
Next
azul
  • Amei… tão simples e tão verdadeiro.
    Amo suas fotos (principalmente das flores e dos gatos)e os seus blogs (o chucrute é maravilhoso.
    bjbjbjbjbj

  • Fer
    Sabe que aconteceu comigo também?!
    Foi no Brasil anos atrás; do jardim dos fundos de repente me virei e tive esta sensação de alegria, paz, de ser tão bom ter aquele lar aconchegante, amoroso; indescretivel…
    Adoro suas fotos

Deixe uma resposta para Maria de Lourdes Tayt-Sohn Cancelar resposta

o passado não condena