diga-me com quem se pareces

*

Estou sempre encontrando parecência entre as pessoas que vejo por aí, as que conheço e os famosos. Mas eu mesma não me acho parecida com ninguém, além da minha mãe. Olho no espelho e quando não consigo me reconhecer no reflexo, percebo o quanto estou ficando parecida com ela. Isso acontece também nas fotos. Só que a minha mãe é fotogênica e nunca sai com a boca torta, os olhos piscando ou fazendo nenhum tipo de careta.
Como eu vejo parecência nos outros, eles também vêm parecências em mim. Já ouvi de tudo, até comparações que não gostei ou não percebi a relação. Na minha lista de pessoas com quem já me acharam parecidas não incluí nenhum nórdico. Nunca ninguém me achou parecida com a Bridget Nielsen. Mas na minha lista está o John Travolta quando ele foi o menino dentro da bolha e eu era uma menina fora da bolha. Também estão a atriz francesa Fanny Ardant, a atriz italiana Anna Magnani, a cozinheira celebridade Nigella Lawson, a repórter intrépida Christiane Amanpour, a mãe do menino do filme Cinema Paradiso, além das simples mortais, como a prima do Salim turco, a irmã do Aziz tunisiano, a vizinha da Maheen iraniana, muitas italianas e até uma peruana.

  • Share on:
Previous
[nove]
Next
Amigo, mantenha-se sempre visível
  • Acho que ninguem ganharia da minha mae ( pouco coruja, que me achava a cara da Caroline de Monaco.
    🙂

  • Eu também sou parecida com a minha mae (sempre quis me parecer com papai), e ela com minha avó…
    Já me acharam parecida com a Shakira ( antes da metamorfose, dela!), com a Vandinha da familia Adams e também com uma atriz americana chamada Mandy Moore!
    Ah, e com a Luana Piovani (opiniao de tia coruja)
    É engracado, elas nao se parecem entre si e eu tampouco com elas, nao sou tao bonita…
    Mas que falaram, falaram rsrs!
    Fernanda, eu já me apresentei, com certeza vc nao deve se lembrar!
    Meu nome é Susana e moro em Colonia, Alemanha
    Parabéns pelo blog e tenha uma belíssima semana

Deixe uma resposta para Maryanne hotelcaliforniablog.wordpress.com Cancelar resposta

o passado não condena