Elisabeth Scissorhands

*

frank-dear.jpg
Minha busca pelo profissional perfeito, que corte o meu cabelo do jeito que eu gosto e não me deixe com cara de mulher da cabeça de piaçava é o meu Santo Graal particular. Já investi muito dinheiro, médio dinheiro, pouco dinheiro e NUNCA consegui me satisfazer totalmente. Ao contrário—na imensa maioria das vezes meu corte de cabelo foi causa de grandes tristezas e frustrações, até cenas de tragédia daquelas de ir chorar dentro do chuveiro que é lugar quente.
É tanto que nem me esforço mais em encontrar aquele estilista de cabelo especial. Faz um tempo que decidi escolher um salão, chego lá de sopetão e no dia que me dá na telha, sem hora marcada e pergunto se rolaria um corte. Sempre rola. Nesse salão eu gasto uma grana média e toda vez que vou lá é uma pomba diferente que me atende. Como sempre eu oriento—olha, só quero aparar, tirar pontas e fazer umas camadas leves só pra dar uma moldura pro rosto. Geralmente saio de lá conformada.
Desta última vez, segui os mesmos procedimentos: cheguei sem hora marcada, uma moça me redirecionou pra cadeira dela, expliquei o que queria. Elisabeth, se apresentou. Quando soltei o cabelo ela já soltou um imenso OH, porque minha cabeleira é densa, é volumosa, e é o sonho de qualquer profissional da tesoura.
E de tesoura em mão, começou ela—ah, seu cabelo é muito lindo! plickplickplick—nossa, seu cabelo é muito saudável! saudável mesmo! plickplickplick—e você tem umas ondas naturais lindas! plickplickplick—tem muita gente que quer ter cabelo como o seu, mas nem pagando mil dinheiros. tem que nascer assim!
plickplickplickplickplickplickplick! plickplickplickplickplickplickplick!
Você já tremeu de pavor enquanto alguém picotava enlouquecidamente o seu cabelo—lindo e saudável, com uma tesoura? Temi muito pelo resultado, fiquei muito assustada com a possibilidade de ter que passar semanas com a cabeça enrolada num lenço ou turbante, ou vestindo chapéu pra trabalhar. Não deu outra, quando cheguei em casa e me olhei no espelho que vi o estrago que o entusiasmo da moça pelo meu maravilhoso cabelo fez.
Desde então tenho tido duas opções de penteado—peruca kanekalon do tutankamon ou topete da cacatua do Baretta. Quanto tempo um cabelo saudável demora pra crescer?

  • Share on:
Previous
sobre a vida dos outros
Next
o cravo rosa
  • E quando você vai pra fazer mechas californianas e sair igual a Fernanda Lima, e sai com o cabelo branco, parecendo a Cruela Cruel?
    Eu fico me perguntando se isso acontece com ELES, também. Hunft.

  • Nega, que ódio heim? Uma vez entrei no Jaça, ali na Faria Lima – sem saber que ele era o Jaça ou até que fosse esse tal de Jaça. Você sabe como eu não me ligo em modas e peruagens neh? Ele – o Jaça – veio me receber em pessoa, e eu nem fazia ideia de quem ele era. Ele perguntou: “Quer que eu mesmo corte, ou quer outra pessoa?”, “Tanto faz, eu só quero mesmo dar uma aparadinha…” Nega, não sei se por ódio do meu “tanto faz”… o que essa criatura fez na minha cabeça… saí de lá aos prantos e tive que morrer com uma grana PRETA. Andei MESES de lenço, até que o estrago foi desaparencendo aos poucos. Que raiva que isso dá! Nega, vim aqui ver se tinha notícias da tua chegada a Souzas, dê-nos notícias suas ASAP, okay? Hope the flight was not too dreadfull, tell us! Beijos, Nega Lu

  • cortaram o meu, gostei viu!? depois de anos com o mesmo cabelon… sem querer acertei!
    pedi um cabelo 3 sabores….
    meio maria flor
    meio andrea beltrão
    meio lenadra leal..
    a dificuldade é que meu cabelo não é tão encaracolado… mas ficou leve, com ondulações naturais, as vezes tá ótimo noutras precisa de uma musse e uma boa amassada!
    🙂

  • Puxa vida, fiquei torcendo para o plickplick ter um final feliz. Eu tenho pavor de cabelereiras também.
    No começo do ano, por exemplo, falei para a moça que queria deixar meu cabelo CRESCER, mas acho que não fui clara o suficiente pois voltei para casa parecendo o John Lennon. Ehehe
    Rir para não chorar.
    Beijo

  • Adorei que você tem escrito aqui, e adorei a história apesar do desfecho tragicômico. 😀
    Já aconteceu isso comigo, e ou eu metia fivelas e andava com o cabelo preso até o coitado abaixar, ou ia em outro salão e cortava tudo. 🙁
    Beijo, saudades!

Deixe uma resposta para Tereza (Bruxelas) Cancelar resposta

o passado não condena