it’s been a long, long time

*

bolinha-listras.jpg
Meu pai perguntou se eu ainda escrevia aqui. Ele era meu leitor, antes de perder parte da visão. Eu respondi que, errr, ahn, às vezes, sim, escrevo qualquer coisa. Não é sempre que tenho histórias, muito menos inspiração. E dizem que o Twitter está matando os blogs. Só se for os blogs de abobrinhas, como este. Porque outros estão firmes e fortes. Mas tudo são fases, eu acredito. Gostaria mesmo era de me sentir à vontade aqui para poder voltar a escrever sobre o meu dia-a-dia, como eu fazia no passado com a tranquilidade de saber que, de conhecidos, só a minha vizinha xereta me lia. Mas é isso—todos os dias [ou quase] eu tiro fotos e escrevo frases, pensamentos, idéias, chuto umas latas, divulgo uns links, até troco um plá com pessoas espalhadas pelos quatro cantos do mundo. Porque não mais aqui? Isso eu não sei. Provavelmente são só fases. São sim.

  • Share on:
Previous
estou por aqui
Next
disk friendship
  • Oi!
    Procurando o livro da Ruth Reichl, que só soube que existia hoje, cheguei no seu blog de culinária,d epois no de filme e agora aqui! Sou leitora assidua do blog Come-se também.
    Adorei tudo.
    Então.. pai.. pois é. O meu já foi. Mas minha avó era cega. E eu li pra cegos durante muito tempo. Existe o Clube da Boa Leitura no Rio que enviam livros para deficientes visuais do brasil sem custo. Eu gravei para eles vários livros. Nunca fui na sede, entregava as fitas para a organizadora.
    Adorei tudo! mas não encontrei como receber mails avisando que tem post novo. Moro no mato, nao existem muitos produtos, principalmente essas coisas americanas, mas adorei.

  • ahh Fezíssima!
    todos os seus espaços são queridos… a cozinha é uma delícia e seu stúdio aqui é fofo… é bom ler você sempre 😀
    ADOREI os petit-pois, os verdes, as listrinhas…

  • Fer, seja bem-vinda!
    Não se dê muita importancia, as coisas tendem a se ajeitar. Voce nos faz falta e é gostoso ler qualquer coisa que escrevas, sinto-se inspirada ou não; nossa vida t a m b é m é assim.
    carinhos

deixe um comentário

o passado não condena