B-flat blues

*

Estou escrevendo um livro aqui nos EUA equivale a estou fazendo aulas de inglês no Brasil. #TodoMundoFaz

Segunda-feira, nove da noite, festa na beira da piscina, eu com frio e exausta, o convercê não tinha fim e de repente eu falo um CINQUENTA! O cérebro cansou, desligou o inglês, entrou em ponto morto.

Entardecer da sexta-feira, fui para o encontro mensal do grupo de colecionadores de Barbie. Como fui convidada pra isso é uma longa história, porque nunca nem tive Barbie. Sou do time das meninas endiabradas que destruíam as Susis. Era um show & tell, então imprimi fotos da Susi [e da Susi e Beto juntos—duas do Beto sozinho, pelado] e fui na maior cara de pau. Minha Susi brasileira até que fez sucesso e muitas pessoas ficaram interessadas. Não sei se voltarei, porque nem tenho boneca, muito menos coleciono, mas o pessoal lá é profissional e têm quartos inteiros na casa reservados pra coleção. E as bonecas são impressionantes.

E na reunião dos webworkers no campus tinha um moço de camisa de manga comprida, gravata, sapato de couro e um cabelo com um corte totalmente anos 30! Queria ter tido coragem pra tirar uma foto, mas não tive. O look vintage dele estava diferente, porque programadores estão sempre de chinelo, camiseta, cabelão ao vento. Minto, um dos programadores que tinha um cabelão preso como se fosse um samurai, agora está de cabelo curto e bigode. Um ex-samurai de chinelo de dedo e bigode.

Eu sonho que a recuperação dele seja mágica. ✨

  • Share on:
Previous
vamos?
Next
os girassóis
  • Minhas lembranças de infância são as bonecas, entre elas a Susi, esquartejadas…Minha mãe radicalizou: para evitar que eu destruisse todos os brinquedos, me proibiu de brincar com eles. Mas graças à essa atitude comecei a explorar a enciclopédia Barsa (ih! Denunciei minha idade!)que tínhamos em casa. Felizmente a minha sede de destruição não vitimou os livros!…

    R: hahaha, Celina, nao tínhamos a a Barsa, mas é da minha época também! minha mãe não ligava pra o que eu fazia com as bonecas, mas tambem incentivava a leitura. um beijo! 🙂

Deixe uma resposta para Celina Cancelar resposta

o passado não condena