novo e velho

*

min 17ºC — max 38ºC

No caminho pro trabalho, bem na entrada de Davis, ainda tem um campo com os girassóis sendo lindos. Sempre tinha alguém lá tirando foto! Nesse dia era eu. 🌻

Todo ano eu acho que é o pior ano, com o verão mais quente. Um rosário de reclamações sem fim. Mas na verdade é quase tudo igual. Julho & agosto são de lascar, aceita isso e segue em frente.

Por causa do calor, enchi a piscina dos passarinhos.

O gato que dava botes nos raios de sol está doente. Como esse gato sempre foi fabuloso, amigável, brincalhão, bonachão, resistente, divertido. Estou passada que ele já não é mais o mesmo e que já avisto a possibilidade de perdê-lo.

Os anos passam, os problemas são sempre os mesmos. Dentes, dinheiro. Gato doente.

Minha desculpa esfarrapada pra não levantar às 5:30 e ir caminhar—dormir também faz bem pra saúde.

Ouvir rádio é tão bom, tanta coisa interessante. Escuto mais rádio do que assisto televisão.

Estou ficando cada dia melhor em mandar trabalho de volta pra pessoa completar o que não fez e sugeriu que eu fizesse.

bbq master que vai ter que fazer burguer de feijão pros veganos—veganos odeiam comida!
eu—alguns podem até odiar comida, mas todos amam os animais.

Não sou vegana nem vegetariana, mas sinto tanta compaixão pelos animais, considero que essa gente me representa!

Noutro dia, indo buscar os ovos na fazenda, fiquei atrás de uma mulher dirigindo um carro vermelho com o bumper stickers do Trompfts ––MAGA. Fui xingando, inconformada, até ela virar uma rua e desaparecer da minha vista. Achei aquilo o fim da picada, uma ostentação publica da própria estupidez e ignorância.

Consigo ver do carro, quando passo pelo estrada ao lado do pomar de nozes, as frutas enormes penduradas nas árvores. Logo tem colheita!

  • Share on:
Previous
dá cá
Next
foi o céu que me oprimiu

Deixe uma resposta para Fernanda Cancelar resposta

o passado não condena