Uma moça muito limpinha

*

A minha hora de almoço não é só para as comilanças. Eu geralmente tiro os sapatos e a roupa e visto um roupão, pois isso me ajuda a estender um pouco mais o prazo da elegância e a aguentar mais umas horas de confinamento vestuário. Nessa hora do almoço eu também escovo os dentes e passo fio dental. E ás vezes lavo o rosto, ás vezes lavo os pés, ás vezes eu tomo um banho, e sempre retoco o perfume, penteio as sobrancelhas e coisas assim. Mas num belo dia, ás dez da manhã eu encasquetei que meu vestido estava cheirando estranho no sovaco. E eu não simplesmente encasqueto, eu despiroco total. Ninguém aqui chega suficientemente perto de mim para sentir cheiro de nada, mas mesmo assim eu entro num estado de descontrole insano. Então na hora do almoço eu cheguei em casa e lavei o vestido. Sim, mes amis, LAVEI. Usei um sabão liquido que supostamente elimina os maus odores e lavei os sovacos do vestido, que molhou também nas costas. Pendurei o dito na janela do banheiro – bem cortiço style – e fui comer. Lógico que o vestido não secou! Eu fico realmente sem graça de voltar pro trabalho vestindo outra roupa, como se eu fosse uma reles dondoca fútil. Então revesti o vestido daquele jeito mesmo. E voltei pedalando, com o sovaco e as costas molhadas, tão fresca, tão limpinha.

  • Share on:
Previous
não esqueça do ponto final
Next
flores do mercado

deixe um comentário

o passado não condena