ça va…

*

Estou na Ecole de Agriculture de Montpellier esperando monsieur Urso assistir a uma ou duas palestras. Depois vamos fazer um tour por fazendas produtoras de frutas e uma vinicola. Chegaremos ate a fronteira com a Espanha. Nao sei se vou gostar de fazer esse passeio com um bando de engenheiros cientistas de todos os cantos do mundo, mas estou com uma atitude positiva.
Explorei a peh todo o centro historico da cidade, que eh lindo, lindo, lindo. Caminhei tanto que chegou a doer as costas. E ontem sentei sozinha numa brasserie numa das mil pracinhas pelas ruas tortuosas da cidade e pedi le plat du jour com pommes frites et un verre de vin blanc. Depois l’addition s’il vous plait, merci!
Nas caminhadas sinto falta dos banheiros publicos, que aqui sao raros e muitas vezes sao pagos – 40 ou 50 cents pra usar um dabliuce fedorento.
Segunda-feira jantamos num bistro tipico. A comida era boa, mas nao era otima. Valeu pelo ambiente e conseguimos pedir tudo porque estavamos acompanhados de um americano que arranhava um frances. Mas estou me virando com gestos, apontando e decorando rapidamente algumas palavras. O sotaque eh que mata – un tartellete de framboise et un de ficos. Tenho dificuldade de entender os numeros, mas acho que as pessoas percebem o meu esforco e ajudam, mesmo com o ingles ruinzinho da maioria. Respondi a uma pesquisa no cafe da manha do hotel. A moca muito simpatica e com um ingles sofrivel me disse que aqui no sul da Franca eh mais dificil encontrar pessoas fluentes em ingles, o que eh mais comum em Paris. Ja deu pra perceber…
Temos nos perdido constantemente com o carro. Nos perdemos ate pra sair e entrar no estacionamento do hotel. Esta me dando nos nervos big time. Mas a sinalizacao aqui eh completamente caotica, nao conseguimos entender o sistema. Nao se consegue ler nomes de ruas do carro, entao o mapa nao serve pra quase pra nada. Vai-se a esmo, apostando na sorte. Eu temo as entradas e saidas das cidades. Pegamos o percurso no Michellin online passo-a-passo, mas nao adianta. Sexta-feira vamos a Orleans e depois de volta a Paris. Ja estou angustiada pois sei que vamos nos perder. Experiencia inescapavel na Europa.
Acabei de perceber que estou com uma mancha de pasta de dente na blusa. A sala esta enchendo de engenheiros e engenheiras. As conferencias devem ter terminado e vamos almocar. Voilà!

  • Share on:
Previous
bon jour! merci!
Next
a torre
  • Fernanda que bom sua volta ao blog. Deve ser interessante visitar fazendas e vinicolas. aprenda tudo e depois ensine pra gente.
    Sempre quis que os banheiro publico daqui fossem pagos.
    Liliane

  • Fer, que bom ler suas notícias. Hehehe, qual o tamanho do estacionamento do hotel?
    Tem épocas em que a pasta de dente se sente muito atraída pelas minhas roupas, aí passo a usar a toalha de rosto como ‘babador’ na hora de escovar os dentes. Ainda bem que essa ‘atração’ não costuma durar muito. Apenas poucos dias no ano. Aproveitem muito.
    Beijos,

  • Hahahaha…. Adorei a observação da mancha da pasta de dente na blusa!
    Uau, que delicia estar viajando heim? Aproveite bem a França e a riqueza de detalhes que vc escreveu neste post descreve ficou ótimo!!!
    Fer, estamos de mudança para L.A. dia 05 de outubro. Me mande o seu telefone novamente assim que vc chegar aqui ok? Quero falar contigo antes de ir embora, apesar de eu apenas estar descendo só um pouquinho a Califórnia.
    Mil beijos, aproveitem tudo e mais um pouco a viagem!!!

  • Ah, e que fique bem claro, pra não achar que o erro era meu: eu cumprimentava em francês e, depois de dizer que não falava a lingua, perguntava se a pessoa poderia falar em Inglês. As melhores pessoas pra se pedir informação são mesmo vendedores e guardinhas.
    That´s it!

  • Oi Fer!
    Olha, acho que algo aconteceu mesmo, pq passei cinco dias em paris e fui muito maltratada. Lógico que existem muitas pessoas solícitas, mas a maioria, pelo menos comigo, foi egoísta e rude. Por isso decidí não continuar o curso de francês.
    Mas oq importa é que a cidade é maravilhosa e vc está gostando!!
    beijo

  • Queridos amigos brasileiros em Montreal, meu nome e Matheus Pessanha tenho 25 anos, sou brasileiro do Rio de Janeiro e achei interesante e frutiferos os seus comentarios sobre Quebec, especialmente agora que depois de 3 anos de preparacoes, para aplicar para o lado de Quebec. Temos todos os requisitos necesarios para isso. Depois de ver o seu site mas ainda me animo a imigrar, por tudo que tem esse pais que ja o adotei no meu coracao. Minha pergunta e: analisando a aplicacao vi que si eu tivesse um amigo(a) en Quebec me aumentaria 1 ponto mas na cualificacao, entao decidi buscar um amigo(a) que viva en Quebec. Queria saber si voce me poderia dar essa ajuda de so dizer que eu so seu amigo? o se voce conhece alguma pessoa brasileira o nao que me poderia dar essa mao(que seja legal no pais e claro). Decidi buscar en mas por brasileiros em Quebec por ser a forma mas facil de comunicar. Realmente le pediria esta ajuda por que sempre ter um ponto a mas ajuda, as vezes podria ser este ponto que me vai faze cualificar melhor. Muito Obrigado, em espera de uma resposta positiva, me despido.
    Deus os abencoe.

  • FEZOCA, vou tantar te ligar amanha, quinta-feira, à noite! Espero poder falar contigo porque ontem nao pude (aniversario do meu sogro, fomos jantar là) e hoje tenho aula de canto no meu coral até 21h.

Deixe uma resposta para Matheus Cancelar resposta

o passado não condena