na ponta do nariz

*

Como tenho um olfato super-hiper-mega-big sensível e estou sempre sentindo o cheiro de tudo, despiroco total se sentir qualquer fedorzinho vindo do meu corpo. Quero a todo custo me convencer de que as outras pessoas não cheiram o cheiro que eu estou cheirando. Ás vezes fazemos uma reunião num horário conveniente para quase todas, exatamente depois de uma aula de capoeira. Eu estou cheirando forte a cloro da piscina, elas dizem estarem fedendo a suor pós-ginga do berimbáu. Eu não sinto fedor nenhum vindo delas. Por isso me acalmo um pouco quando penso que – bom, não penso nada, tenho certeza, estou com aquela catinga sovaquenta que por algum motivo trascedental resolveu incarnar sem o meu consentimento. E isso sempre acontece de repente, sem aviso prévio, sem ter acontecido nada especial. O sovaco simplesmente manifesta-se. De repente, snif, snif, sinto que algo não está bem. Invés de relaxar pra não deixar a coisa piorar, eu me estresso e quando percebo estou literalmente desesperada, achando que é o fim do mundo. Há muitos anos conheci uma moça cujo sovaco exalava o cheiro mais ardido e impregnante já experienciado pelas minhas narinas. Se ela entrava num lugar, espalhava rapidamente o seu rastro odorífero inconfundível. Ela parecia não perceber, ou não se importar. Como é comum se acostumar com o próprio perfume, seria possível também se acostumar com o próprio fedor?

  • Share on:
Previous
a vida são flores
Next
quanto vale?
  • Isso me fez lembrar de uma empregada que trabalhou com minha mãe qdo eu era pequena, que nós a chamávamos de “Dona Penha Cecê”
    Nem preciso dizer por quê, né? hehehehehe!!!
    beijocas

  • essa foi a maior:
    >
    hihihihi
    E olha o antropóçogo roquenrow, o Claudio e as partes pudendas hahahah
    olha eu conheço gente que é psica e fica tentando sentir os cheiros, são limpas mas não se conformam, sabia que também esse lado.
    mas par mim, não digam nada a ninguém ainda tenho dúvida se o pior é sova ou a boca;-) Yikes.
    beijos
    M.
    P.S Catinga, ali é bom, também, a palavras , I mean:-)

  • Ufa, pensei que era só eu que me desespero com um fedorzinho sovacal vindo de mim e que me é impossível ignorar. Tenho uma coleção de desodorantes, quando um começa a deixar de funcionar, eu mudo de marca. Um terror :o)

  • uma curiosidade que tenho é de saber em que momento da evolução paramos de nos “comunicar” pelo cheiro, como é notório em quase todos nossos parentes mamíferos.
    Aliás, ouvi dizer que deixamos de nos atrair no cio através do olfato quando começamos a andar sobre dois pés, o quê afastou nossos narizes das partes pudendas.

  • Fer, acho mesmo que tem pessoas que não percebem ou acostumam, sei lá.
    Conheço duas pessoas muita queridas, que realmente não sentem o proprio fedorzinho.
    ps. algumas pessoas tem problemas com o sr. desô e o proprio não funciona, mesmoooooooo.
    fazer o quê não deixo de gostar delas…….
    beijos
    não esquenta a piolhenta

  • não sei se um dia vou me acostumar ao meu próprio fedor, mas, perdão pela franqueza, fico aliviada de saber que o suvaco de outra pessoa se manifesta sem motivo, tal qual o meu. hahaha. pelo menos me setirei menos bizarra da próxima vez.
    beijoca

Deixe uma resposta para Cláudia Cancelar resposta

o passado não condena