Frankly, my dear, I don’t give a damn

*

Será que isso é sinal da idade avançando, porque eu costumava me importar com muita coisa que simplesmente já não me importo mais. Costumava gostar ou desgostar de pessoas e objetos, que hoje não me dizem mais nada. Eram outros tempos, outra mentalidade, outra eu que não existe mais—ou melhor ponderou e andou pra frente sem olhar pra trás. E deve ser por isso que eu sinto tão pouca saudade, de lugares, gentes e histórias, pois o que se viveu já passou e se foi bem vivido não precisa ficar reprisando.

  • Share on:
Previous
alguém comprou flores
Next
what is and what should never be

Deixe uma resposta para LuLu Cancelar resposta

o passado não condena