escrever pra dizer nada

*

Sinceramente eu não sei como eu conseguia sentar todo dia e escrever coisas—um resumo do dia anterior, comentários sobre isso e aquilo, historietas e croniquetas, e preencher os arquivos de tantos anos, meses, dias. Hoje passa-se um tempão até que eu tenha vontade e assunto pra escrever. A verdade é que minha vida é bem monótona—casa—trabalho—casa, e o resto é o que está aqui.
Gosto de tascar fora o velho, limpar, trazer o novo. Fiz isso na minha área de trabalho e joguei fora papelada de três anos atrás, badulaques inúteis acumulando poeira. Ganhei um espaço enorme, limpo e iluminado que já me animou com as possibilidades de preenchê-lo.
Final de verão é sempre aquela viajação do camarada Ursão. Ele passou dois dias voltando da Europa. Tá certo que tinha um furacão no meio da história, mas a verdade é que viajar de avião está com os dias contados. Pior pra nós, que amarramos nosso burro aqui na divina terra prometida, que está situada na beirinha do fim do mundo.
Todo encerramento de estação me dá um entojo e eu estou neste estado neste momento. Não quero nem olhar a previsão do tempo, olho com um misto de raiva e inveja os catálogos de roupas lotados de modelitos outonais. No final do inverno nos encontraremos por aqui, para um repeteco desse manjado papo de sempre.

  • Share on:
Previous
a bike faz campanha
Next
tudo por causa de um acento circunflexo
  • Fernanda, mando este poeminha para animar você que gosta tanto de gatos:
    O GATO
    Ele vinha na ponta dos pés
    qualquer direção servia
    seguia o ar com suas narinas ocultas
    farejava silêncio
    na ponta dos pés
    cautela
    pruridos de animal
    a manhã veio depois
    altivo
    refugiou-se na moldura inventada
    até que ela o olhasse.
    (Aurora da Graça, 2008)

  • É Fer, eu sempre me pergunto isso, como e tinha tanto assunto antes… e achava tempo para escrever todo santo dia. Acho q o blog tb cai na rotina e perde a graça. Só q continua lá os arquivos de anos e anos.

  • ô, Fer, que desânimo!
    eu, às vezes fico assim também. mas aí eu tento me arrumar um negócio que me dê uma motivação nova, tipo o que tu fizeste aí com as tuas arrumações. tenta ver se não achas uma coisa legal prá fazer, e se não achares, inventa uma!
    bjus prá ti.
    R: Luzinha, eu ja tenho uma grande motivacao, que me ocupa todo o tempo livre, que eh uma coisa muito legal que eu amo fazer e se chama Chucrute com Salsicha. 🙂 beijo, Fer

Deixe uma resposta para Luzinha Franzoi Cancelar resposta

o passado não condena