lo-ve-it!

*

São episódios que acontecem o tempo todo comigo: alguém me pára na rua, dentro de uma loja, na fila do supermercado, pra dizer que gostou demais da minha blusa, ou calça, ou sapato, ou echarpe, ou chapéu, ou casaco. Isso acontece tanto que eu fico pensando – what’s wrong [or right] with me?
Outro dia uma mulher veio atrás de mim no estacionamento do supermercado e me disse – eu a-dooo-rei o seu casaco!
Hoje entrei numa loja de materiais de construção. Não vou dizer como eu estava vestida, mas eu ia almoçar com uma amiga e estava frioooo. Uns três empregados da loja vieram solicitamente me perguntar se eu queria ajuda. Um deles, sorrindo todo simpático depois de oferecer ajuda disse – essas suas botas são muito cool!
Eu sempre sorrio e digo – obrigada! Claro que às vezes eu vejo gente na rua, nas lojas ou na fila do supermercado vestindo roupas, sapatos ou acessórios legais. Mas eu sou tímida demais pra fazer qualquer comentário de elogio. E fico sempre surpresa ao receber um, pois nunca acho que estou abafando tanto assim.

  • Share on:
Previous
cuidado com o guri lambão!
Next
na lata
  • às veze elogio alguma coisa em pesoas desconhecidas, mas tem que rolar simpatia. e, como a angélica, as pessoas desconhecidas costumam elogiar meu cabelo

  • Ora, as pessoas elogiam porque você é uma linda e fofa e chique ainda por cima :o) A chiquetosidade é um estado de espírito próprio da Fer :o) Beijins procê!

  • Quem manda ter bom gosto? 🙂
    Comigo isso acontece em relação ao cabelo, normalmente quando está pintado há pouco tempo e a cor mais forte. As pessoas vem falar comigo na rua pra perguntar qual é a tinta, qual o tom, etc. Da última vez, parei na vitrine de uma loja de sapatos só pra olhar e veio uma vendedora lá de dentro, eu achando que ia perguntar o tradicional “posso ajudar?” e ela me soltou um “desculpa, mas vc se importaria de me dizer que cor você usou no seu cabelo?” hahhaha Sempre fico surpresa, porque nunca pararia alguém na rua pra perguntar isso, mas confesso que meu ego adora e agradece. 😉
    beijos

Deixe uma resposta para Yara Cancelar resposta

o passado não condena